terça, 16 agosto 2022
quinta, 09 junho 2022 00:37

Eco-Escolas de Estremoz pintaram nas sarjetas e sumidouros da zona central da cidade verdadeiras obras de arte

Escrito por
Autarquia estremocense pretende, através das pinturas das crianças, “alertar e sensibilizar a população em geral" Autarquia estremocense pretende, através das pinturas das crianças, “alertar e sensibilizar a população em geral" Ivo Moreira

O Agrupamento de Escolas de Estremoz, no âmbito do Projecto Eco-EscolasO Mar começa aqui”, pintou várias sarjetas e sumidouros na cidade branca do Alentejo.
 
A Escola da Mata, a Escola do Caldeiro, o Jardim de Infância de Santa Maria e a Escola Básica Sebastião da Gama, as denominadas Eco-Escolas de Estremoz, aceitaram o desafio nacional lançado pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), e pintaram nas sarjetas e sumidouros da zona central da cidade verdadeiras obras de arte, com o objectivo de alertar a população para o facto de que tudo o que entra naqueles locais flui até aos cursos naturais de água, através dos lagos, lagoas, baías e rios, até ao mar.
 
Em nota de imprensa enviada à nossa redacção, a Câmara Municipal de Estremoz refere que associou-se a este projecto “uma vez que é da nossa competência garantir a limpeza das vias e dos espaços públicos, sarjetas e sumidouros”, mas também porque através das pinturas das crianças, “pretendemos alertar e sensibilizar a população em geral, e a comunidade escolar em particular, para as consequências, quer nos ecossistemas terrestres, quer nos ecossistemas marinhos, da incorreta deposição dos resíduos”.
 
As sarjetas de passeio e sumidouros são importantes dispositivos de entrada de fluxos de água, dado que garantem o acesso das águas pluviais às redes de drenagem, contudo, são frequentemente objecto de deposição de resíduos, quer decorrentes do arrastamento das águas da chuva, quer decorrentes da actividade humana, como óleos alimentares, garrafas, beatas, entre outros.
 
Ainda segundo a autarquia estremocense, “os objectivos deste projecto são - Compreender a necessidade de preservação dos ecossistemas e da biodiversidade em geral e da qualidade da água doce e salgada em particular; - Educar para uma cidadania activa, incitando os jovens a passar a mensagem de que “Tudo o que cai no chão, vai parar ao mar”; - Estimular a criatividade dos alunos, através do desenvolvimento de competências em áreas como a expressão plástica; e Implementar estratégias de cooperação escolas-autarquias para a promoção da sustentabilidade”.
Modificado em quinta, 09 junho 2022 00:52

Deixe um comentário