quarta, 27 outubro 2021
quinta, 24 junho 2021 15:16

Médico estremocense denuncia falha do CODU no envio de viatura do INEM para acidente com carro de Ministro

Escrito por
Segundo relata o médico-cirurgião, a VMER de Évora chegou ao local uma hora depois do acidente Segundo relata o médico-cirurgião, a VMER de Évora chegou ao local uma hora depois do acidente DR

Através de um texto publicado na sua página na rede social Facebook, o médico estremocense António Peças denuncia um alegado erro do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) no envio da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Évora que prestou socorro no acidente que ocorreu na Auto-Estrada 6 (A6), que envolveu a viatura oficial do Ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita, e que resultou na morte de um cidadão com 43 anos.
 
Segundo relata o médico-cirurgião, a VMER de Évora chegou ao local uma hora depois do acidente. Na sua publicação, António Peças questiona “o que dizer da actuação do CODU do INEM, que activou a VMER de Évora para o trajecto Évora - Montemor quando o acidente ocorreu no trajecto Estremoz - Évora, o que levou a que a VMER chegasse ao local mais de uma hora depois de iniciar o caminho para o local?”.
 
O profissional de saúde deixa mesmo no ar a questão de se terá acontecido “alguém no CODU ter modificado os dados inicialmente enviados na ficha de activação, corrigindo a localização da ocorrência?”.
 
Na denuncia que faz, sem quaisquer restrições como já é seu timbre, António Peças pergunta se o INEM “esse instituto, tão solícito em fazer chegar os excertos convenientes de gravações de chamadas à comunicação social quando pretende linchar publicamente um seu prestador de serviços, irá agora adoptar o mesmo procedimento?”, afirmando mesmo que “estes equívocos se repetem amiúde e comprometem irreversivelmente a vida das vítimas”.
 
António Peças, que presta igualmente serviço no INEM, questiona ainda se “desta vez não se denuncia? Ninguém investiga? Não se abrem inquéritos? O INEM voltará a sacudir a água do capote e a atribuir a responsabilidade a terceiros, como é seu hábito?”.
 
A publicação do médico estremocense termina com a afirmação de que “está tudo escrito na ficha CODU da respectiva ocorrência...!!”.
 
De recordar que no passado dia 18 de Junho, a viatura onde seguia o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, atropelou mortalmente uma pessoa, na Auto-Estrada 6 (A6), na zona da Azaruja, no distrito de Évora.
 
Segundo informações avançadas na altura pelo Comando Territorial de Évora da Guarda Nacional Republicana (GNR), a vítima mortal era um homem de 43 anos, que procedia a trabalhos de manutenção junto ao separador central da A6.
 
O homem ainda "foi assistido", mas "acabou por falecer no local", assinalou uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOSde Évora.
 
O alerta para este sinistro rodoviário, que aconteceu ao quilómetro 77.5 da A6, no sentido Estremoz – Lisboa, foi dado pelas 13:14 horas.
 
Segundo a GNR, as circunstâncias em torno deste acidente estão a ser averiguadas pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação (NICAV) do Destacamento de Trânsito de Évora.
 
Segundo nota do Ministério da Administração Interna, o Ministro Eduardo Cabrita lamentou profundamente o sucedido e apresentou sentidas condolências à família enlutada.
 
As operações de socorro mobilizaram 27 operacionais, entre elementos dos Bombeiros Voluntários de Estremoz e de Évora, da GNR, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da Brisa, concessionária da autoestrada, apoiados por 12 veículos.
 
Eduardo Cabrita tinha-se deslocado, na manhã dessa sexta-feira, ao Centro de Formação de Portalegre da GNR onde presidiu à Cerimónia do Juramento de Bandeira dos formandos do 43.º Curso de Formação de Guardas da Guarda Nacional Republicana.
Modificado em quinta, 24 junho 2021 16:08

Deixe um comentário