sábado, 22 fevereiro 2020
segunda, 20 janeiro 2020 12:52

GNR obrigada a efectuar disparo para afastar família de homem detido

Escrito por
O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Elvas O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Elvas DR
Pelo crime de resistência e coação sobre militares da Guarda Nacional Republicana (GNR), esta força de segurança deteve, no passado sábado, 18 de Janeiro, um homem de 35 anos, em Campo Maior.
 
Segundo um comunicado do Comando Territorial de Portalegre da GNR, o homem foi detido por militares do Posto Territorial de Campo Maior, tendo sido mesmo necessário "recorrer à força física".
 
A GNR explica no comunicado, que após o alerta do proprietário de um estabelecimento comercial daquela localidade, onde estaria a ocorrer um furto de produtos alimentares, os militares encetaram uma perseguição apeada ao suspeito, que já estava referenciado pela prática do mesmo tipo de crime.
 
"Após a abordagem, o suspeito ofereceu resistência à patrulha, começando por ocultar a sua identificação e opondo-se à revista pessoal, visando impedir a recuperação dos objectos furtados e assim assegurar os meios de prova, tendo sido necessário recorrer à força física, estritamente necessária, para efetuar a detenção do mesmo", adianta o comunicado.
 
A GNR refere ainda que ao verificar-se "a existência de uma escoriação no suspeito, em consequência da queda aquando da sua detenção", foi o detido encaminhado ao Centro de Saúde de Campo Maior, local onde se juntaram vários familiares e amigos do suspeito, que "tentaram forçar a entrada" naquele estabelecimento de saúde.
 
"Para que fosse possível salvaguardar a segurança dos utentes e dos funcionários que se encontravam no interior do Centro de Saúde, houve necessidade de efectuar um disparo de advertência com arma de fogo, municiada com cartucho de borracha, levando à dispersão do aglomerado de pessoas e à reposição da tranquilidade e da ordem pública, tendo o detido sido depois sujeito ao respectivo tratamento médico", acrescenta o comunicado.
 
O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Elvas.
 
c/ LUSA
Modificado em segunda, 20 janeiro 2020 13:19

Deixe um comentário