sábado, 11 julho 2020
sexta, 17 janeiro 2020 03:08

Alandroal - Seis milhões de euros de investimento no concelho à espera da Assembleia Municipal

Escrito por
João Maria Grilo, autarca de Alandroal, salienta que “este empréstimo é essencial para o futuro do concelho" João Maria Grilo, autarca de Alandroal, salienta que “este empréstimo é essencial para o futuro do concelho" DR
Em reunião do executivo da Câmara Municipal de Alandroal, realizada no passado dia 8 de Janeiro, no edifício sede do Município, foi aprovada, com os votos favoráveis do Presidente da autarquia alandroalense, João Maria Grilo, eleito nas listas do Partido Socialista (PS), do vice-presidente João Carlos Balsante (PS), e do vereador Paulo Gonçalves, eleito nas listas da Coligação Democrática Unitária (CDU), a Candidatura a Pedido de Financiamento do Empréstimo Quadro (EQ) do Banco Europeu de Investimento (BEI) para fazer face às contrapartidas nacionais da obra de Consolidação, Restauro e Requalificação da Fortaleza de Juromenha, da obra de conclusão da Biblioteca/Centro Comunitário de Alandroal e da obra de Intervenção na Redução de Perdas na Rede de Abastecimento de Água do concelho, projecto candidatado em conjunto com as Câmaras Municipais de Estremoz, Viana do Alentejo e Reguengos de Monsaraz.
 
Apesar da sua aprovação, esta proposta de contratação do EQBEI mereceu os votos contra da vereadora da CDU, Mariana Chilra, e do vereador eleito nas listas do Movimento Independente DITA - Defesa da Integridade Territorial e Desenvolvimento de Alandroal, João Nabais.
 
De recordar que, quer João Nabais, entre os anos de 2002 e 2009, quer Mariana Chilra, no mandato de 2013 a 2017, já se sentaram na cadeira de Presidente da Câmara Municipal de Alandroal.
 

Segundo o edil alandroalense, “este empréstimo, para fazer face à contrapartida nacional de projectos candidatados a fundos comunitários, no valor de cerca de 1 milhão e 450 mil euros, permite que o Município invista imediatamente cerca de 6 milhões de euros em obra, visto que já temos cerca de 4 milhões e 500 mil euros de fundos comunitários assegurados”.
 
Em declarações ao Ardina do Alentejo, João Maria Grilo refere que “estamos a falar de obras tão importantes como a Reabilitação e Restauro das Muralhas da Fortaleza de Juromenha, da conclusão da Biblioteca/Centro Comunitário de Alandroal, obra parada há 12 anos e que precisa urgentemente de ser concluída, e da obra de Intervenção na Redução de Perdas na Rede de Abastecimento de Água do concelho, projecto candidatado em conjunto com as Câmaras Municipais de Estremoz, Viana do Alentejo e Reguengos de Monsaraz”.
 
O EQBEI, no fundo, não é um empréstimo, mas sim um reembolso, com taxas de juros zero, a 13 anos, o que se traduz em cerca de 109 mil euros ano de esforço do Município, o que dá pouco mais de 9 mil euros por mês” adiantou o autarca.
 
João Maria Grilo salienta que “este empréstimo é essencial porque para executarmos todas estas obras, num curto espaço de tempo, de final do Quadro Comunitário, elas têm de avançar agora”.
 
O presidente da autarquia de Alandroal garantiu ao Ardina do Alentejo que “esta operação tem autorização do FAM – Fundo de Apoio Municipal, que supervisiona as contas da câmara, e que assume e reconhece que a mesma é importante para o desenvolvimento do concelho”.
 
Sobre os votos contra dos vereadores da CDU e do DITA, João Maria Grilo olha “com preocupação” para esses mesmos votos contra, acreditando que “no momento em que estavam a votar” ambos os vereadores “esqueceram-se que já tinham sido Presidentes de Câmara, visto que eles próprios prometeram às pessoas que resolveriam estes mesmos problemas”. “Espero que tenha sido um momento menos reflectido e que possam ainda vir a retratar-se deste voto”.
 
Mas para que a contratação deste empréstimo seja uma realidade, falta ainda a aprovação da Assembleia Municipal de Alandroal.
 
Hoje, dia 17 de Janeiro, a partir das 21 horas, está agendada, para o edifício sede do Município, uma reunião extraordinária do órgão deliberativo do concelho.
 

 

Apesar de o PS não ter maioria na Assembleia Municipal, e apesar dos votos contra dos vereadores da CDU e do DITA, João Maria Grilo está confiante que esses votos contra dos vereadores da oposição “foi um momento menos reflectido e que eles tiveram oportunidade, desde a reunião de câmara até hoje, de reflectir, de pensar, e de transmitir aos membros da Assembleia Municipal, que são responsáveis por eles próprios, responsáveis pelas suas próprias decisões, mas transmitir-lhes que não há justificação nenhuma que se possa dar que não ponha em causa a lealdade para com a população ao inviabilizar este empréstimo”.

 

João Maria Grilo concluiu a sua entrevista ao Ardina do Alentejo salientando a ideia de que “cada um dos membros da Assembleia Municipal vai ter nas suas mãos o poder de, ou viabilizar seis milhões de euros de investimento e contribuir para o desenvolvimento do concelho, ou em contrapartida, inviabilizá-lo e contribuir para extremas dificuldades futuras no concelho, e dessa forma, não honrar o compromisso que fizeram com a população”.
 
 
 
Modificado em sexta, 17 janeiro 2020 03:43

Deixe um comentário