sexta, 19 abril 2019

Faleceu o Arcebispo Emérito de Évora, D. Maurílio de Gouveia

Escrito por  Publicado em Região terça, 19 março 2019 16:06
O Arcebispo Emérito de Évora faleceu ao início da tarde no Eremitério Maria Serena, na Madeira O Arcebispo Emérito de Évora faleceu ao início da tarde no Eremitério Maria Serena, na Madeira DR
Vítima de doença prolongada, morreu hoje, dia 19 de Março, o Arcebispo Emérito de Évora, D. Maurílio de Gouveia.
 
Conforme tinha sido divulgado nas redes sociais por D. Francisco Senra Coelho, actual prelado eborense, D. Maurílio encontrava-se “em situação terminal”.
 
O Arcebispo Emérito de Évora faleceu ao início da tarde no Eremitério Maria Serena, na Madeira.
 
D. Maurílio Jorge Quintal de Gouveia, filho de Aires Romão Freitas Gouveia e de Matilde Maria Quintal de Gouveia, nasceu a 5 de Agosto de 1932, em Santa Luzia, no Funchal, na ilha da Madeira. Ingressou no Seminário Diocesano do Funchal, vindo a receber a ordenação sacerdotal em 4 de Junho de 1955.
 
Aos 22 anos seguiu para Roma, para prosseguir os seus estudos, e formou-se em Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana, tendo tirado também uma pós-graduação em Teologia Pastoral, na Pontifícia Universidade Lateranense.
 
Desenvolveu o seu ministério presbiterial na diocese madeirense, desempenhando entre outros cargos, o de vice-reitor do Seminário do Funchal e professor de Teologia na mesma instituição. Em 26 de Novembro de 1973 foi eleito Bispo Titular de Fabiona, e nomeado pelo Papa Paulo VI, como Bispo Auxiliar do Patriarcado de Lisboa. Foi ordenado Bispo, pelo então cardeal-patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, na Sé Catedral do Funchal, em 13 de Janeiro de 1974.
 
Em 22 de Março de 1978 foi nomeado Arcebispo Titular de Mitilene e Vigário-Geral do Patriarcado, cargo que desempenhou até 8 de Setembro de 1981, quando foi nomeado pelo Papa João Paulo II, para a suceder a D. Frei David de Sousa como Arcebispo de Évora. Tomou posse da Arquidiocese, entrando solenemente na Catedral, em 8 de Dezembro de 1981, dia da festa da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, padroeira principal de Portugal e da Arquidiocese de Évora.
 
Ao longo dos 26 anos em que tomou conta dos destinos da arquidiocese alentejana, D. Maurílio de Gouveia destacou-se pelo empenho pastoral, assumindo como pioneiro num trabalho de proximidade com as comunidades católicas locais. “Como estive no terreno, conheci as pessoas, entrei nas suas casas, visitei escolas e fábricas e pude experimentar bem a alma alentejana”, destacava D. Maurílio de Gouveia.
 
Em 2007, por ter atingidos os 75 anos, idade limite para o desempenho da missão episcopal, segundo a lei canónica, D. Maurílio de Gouveia apresentou ao então Papa Bento XVI a sua resignação ao cargo de Arcebispo de Évora.
 
A 8 de Janeiro foi anunciado o nome do novo Arcebispo de Évora, D. José Alves, com D. Maurílio de Gouveia a assumir o cargo de Administrador Apostólico até à tomada de posse do seu sucessor, que viria a acontecer a 17 de Fevereiro de 2008.
 
Sinto-me muito feliz por tudo aquilo que pude viver aqui nestes 26 anos. Foi uma experiência muito gratificante. Estou muito grato a Deus por tudo aquilo que pude viver nestes anos, sobretudo pela amizade que se estabeleceu com todas as populações, famílias e pessoas individualmente”, destacou na hora de deixar o cargo.
 
Os seus últimos anos, já com uma saúde muito debilitada, foram passados em Gaula, no concelho de Santa Cruz.

Deixe um comentário