sábado, 16 fevereiro 2019

Vestuário contrafeito apreendido em Sousel

Escrito por sexta, 18 março 2016 01:09
No decurso de uma acção de fiscalização rodoviária, militares do Posto Territorial de Sousel da Guarda Nacional Republicana - GNR, apreenderam no passado dia 15 de Março, terça-feira, em Sousel, 108 peças de vestuário contrafeito, cujo valor estimado é superior a 1 500 euros.
 
O proprietário do material foi constituído arguido, tendo-lhe sido aplicada como medida de coação o TIR - Termo de Identidade e Residência.
A zona alentejana do Alqueva vai "ganhar" o seu primeiro complexo turístico de cinco estrelas, o São Lourenço do Barrocal, a inaugurar na sexta-feira e fruto da recuperação de um monte histórico, "assinada" pelo arquitecto Souto Moura.
 
Promovido pela empresa São Lourenço do Barrocal, da família proprietária da herdade e da família António Menano, o projecto situa-se no concelho de Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, e custou nove milhões de euros, dos quais cerca de 5,5 milhões foram apoios comunitários.
 
A herdade, na mesma família há 200 anos, possui 780 hectares, com várias marcas históricas, como 16 antas e um menir do Neolítico, e ligação directa ao Grande Lago.
 
O complexo "teria viabilidade e tê-lo-íamos feito à mesma se não houvesse Alqueva", mas "é uma enorme mais-valia ter o lago na herdade e interessa-nos muitíssimo" usá-lo "para ter actividades [de animação turística] e como irrigação da agricultura", realçou à agência Lusa José António Uva, administrador da empresa promotora.
 
Agora, esta herdade alentejana, produtora de vinho e de vários produtos biológicos, como carne e azeite, dá o "tiro de partida" para novos tempos, com restaurante, adega e hotel de cinco estrelas, com 24 quartos, 16 casas turísticas, spa, piscina, centro hípico e outras valências.
 
O presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, disse à Lusa tratar-se de um investimento "bastante importante", mesmo "ao lado do Alqueva, um lago que tem quase 1.100 quilómetros de margem, dos quais 220 quilómetros" neste concelho.
 
"É uma recuperação magnífica de um monte que tem uma história no concelho e que alarga horizontes em relação à oferta turística de Reguengos de Monsaraz", permitindo, em complemento com os turismos rurais, "prolongar as visitas dos turistas e ter outro tipo de turismo" de um segmento "mais alto", frisou.
 
Os vários edifícios do monte, do século XIX, totalizam os oito mil metros quadrados e o projecto do arquitecto Eduardo Souto Moura, "provavelmente a pessoa em Portugal que tem mais experiência em reabilitação e maior conhecimento do património arquitectónico", resultou numa intervenção "muito cuidada", afiançou José António Uva.
 
"Permitiu recuperar edifícios que têm agora novas funções, mas que mantêm a sua personalidade, carácter e essência, que é a arquitectura popular do Alentejo", sublinhou. 
 
Com quase 50 pessoas já contratadas, a maior parte da zona, e parcerias com produtores e artesãos da região, para fornecerem o restaurante ou a loja, o projecto quer valorizar a agricultura que pratica e recuperar "o sentido de comunidade" da herdade, quando aí viviam e trabalhavam, antigamente, cerca de 100 pessoas.
 
O empreendimento, quando foi apresentado, há alguns anos, previa também a construção de casas de turismo residencial, mas, por enquanto, os planos estão apenas centrados na operacionalização da fase que é inaugurada na sexta-feira.
 
"Aquilo que temos é uma resposta ao mercado. Se, de facto, houver interesse para esse turismo residencial, assim responderemos. Mas o nosso foco está em criarmos um hotel com vida", esclareceu o administrador.
 
No período correspondente à "caminhada" do São Lourenço do Barrocal, outros projectos turísticos e imobiliários estiveram "na calha" para o Alqueva, mas ou não foram concluídos ou nem passaram do papel.
 
"Tenho claramente pena", afirmou o autarca José Calixto, reconhecendo que "a dimensão destes projectos, feita na década passada" estava "claramente acima daquilo que os territórios e os mercados aguentam, neste momento".
 
Quanto a José António Uva, apostado em "provar que faz sentido fazer um projecto ambicioso, turístico e agrícola, nesta região", espera que, com o tempo, surjam outros investidores: "Faria todo o sentido. Acho que funcionamos melhor como destino se formos mais".
 
c/ LUSA

Despiste provoca um morto na Estrada Nacional 120

Escrito por sexta, 11 março 2016 01:16
Na sequência do despiste do automóvel em que seguia na Estrada Nacional 120, no concelho de Odemira, distrito de Beja, um homem de 47 anos morreu, esta quinta-feira, dia 10 de Março.
 
Segundo disse à LUSA fonte da Guarda Nacional Republicana, o homem, que era o condutor e único ocupante do veículo, ainda foi transportado para o Serviço de Urgência Básica de Odemira, onde foi confirmado o óbito.
 
De acordo com a fonte da força de segurança, o acidente ocorreu cerca das 18 horas, na EN 120, entre Odemira e São Luís.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja indicou que foram mobilizados para o local operacionais e veículos dos Bombeiros Voluntários de Odemira, uma viatura de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Odemira e a GNR.
 
c/ Lusa

Município de Borba promove-se na BTL 2016

Escrito por terça, 01 março 2016 01:30
O Município de Borba volta a marcar presença na BTL – Feira Internacional de Turismo, que em 2016 decorre entre os dias 2 e 6 de Março, na FIL – Feira Internacional de Lisboa.
 
A autarquia borbense estará presente no stand da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, com um balcão de atendimento, juntamente com outros municípios e empresas da região.
 
A BTL representa para os profissionais do sector uma oportunidade para encontrar compradores, mas também para conhecer a concorrência. Para o público constitui uma oportunidade de conhecer novos destinos e novas soluções. Os três primeiros dias da BTL são dedicados aos profissionais, estando a feira de portas abertas ao público em geral nos dias 5 e 6 de Março.
 
O Município de Borba vai apresentar toda a oferta turística do concelho, com especial destaque para os produtos regionais. No dia 02 de Março, pelas 15 horas, o Município realiza uma prova de produtos do concelho, com degustação de vinhos, pão, queijos, enchidos, azeite, ameixas e mel.
 
Durante a feira serão realizadas diversas acções promocionais, que incluiem o sorteio de dois cabazes de produtos, e a oferta de estadias em unidades de alojamento do concelho, refeições em restaurantes, visitas enoturísticas e passeios pedestres.
 
c/ Município de Estremoz
Vai ser lançado esta semana, pela Associação Alentejo de Excelência, um concurso de ideias para combater o despovoamento na região, situação considerada “dramática” pela associação.
 
Denominado “Start & Go”, o concurso de ideias, que irá conceder um prémio de 2.500 euros e apoio técnico à proposta vencedora, vai ser apresentado, na próxima quinta-feira, dia 25 de Fevereiro, em Évora, durante a conferência “Será o despovoamento do interior uma inevitabilidade?”.
 
O presidente da Associação Alentejo de Excelência, Henrique Sim-Sim, afirmou que “o despovoamento é dramático na região e é necessário que os poderes públicos e a sociedade civil se envolvam, pensem sobre o tema e proponham iniciativas concretas”.
 
A associação vai premiar a melhor proposta a concurso com 2.500 euros, valor que resulta de um apoio do Grupo Águas de Portugal, além de ajuda técnica para o desenvolvimento de um projecto-piloto no terreno.
 
O responsável adiantou que “os nossos associados, que têm competências nas áreas da gestão, comunicação e empreendedorismo social e empresarial, vão poder dar mentoria ao projecto vencedor para o ajudar a implementar”.
 
Segundo o presidente da Associação Alentejo de Excelência, que citou dados dos censos, entre 2001 e 2011, a região perdeu 26 mil pessoas.
 
Sabemos que, de 2011 para cá, houve uma maior taxa de emigração e o envelhecimento populacional é uma coisa assustadora” no Alentejo, em que existem “179 idosos por cada 100 jovens”, disse Henrique Sim-Sim.
 
O responsável concluiu que, e citando uma estimativa que aponta para a perda de oito pessoas por dia no Alentejo, “só este ano, a região já terá perdido cerca de 500 pessoas”.
 
A conferência sobre o despovoamento realiza-se na quinta-feira, no Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA), em Évora, para reforçar a atenção da opinião pública para o tema.
 
Participam no evento como oradores Frederico Lucas, do projecto "Novos Povoadores", o deputado do PSDLuís Leite Ramos, e o investigador Luís Moreno.
 
c/ LUSA

Delta Cafés reforça aposta no mercado suíço

Escrito por sexta, 12 fevereiro 2016 02:00
Tendo como ojectivo o reforço da sua presença no mercado suíço, a Delta Cafés adquiriu a carteira de clientes do seu antigo distribuidor e parceiro na Suíça.
 
A Novadelta Suisse, empresa criada após esta aquisição, passa, no imediato, a contar com uma carteira de 350 clientes, na sua maioria a operar no canal Horeca
 
Este acordo é o resultado da estratégia de internacionalização do Grupo Delta Cafés, que pretende continuar a crescer e a apostar na presença directa em geografias que considera prioritárias e adequadas à visão de expansão” revela a empresa. 
 
Rui Miguel Nabeiro, administrador do Grupo Delta Cafés sublinhou que “para o nosso grupo esta aquisição é mais um passo fundamental no crescimento das nossas marcas. Temos a expectativa de continuar a manter um ritmo de crescimento consistente para os próximos anos, acelerando a abertura de novos clientes Horeca e entrando em novos canais de distribuição. Este reforço de posição, aliado à qualidade e expertise dos nossos produtos, nos vários mercados existentes, vai ao encontro dos nossos objectivos que passam por tornar cada vez mais a Delta Cafés como uma marca global”. 
 
Para o Grupo Delta Cafés, esta aquisição passa ainda por consolidar as marcas do seu portfólio em território suíço, onde já beneficiam de elevada notoriedade e reconhecimento de qualidade, e ao mesmo tempo reforçar a sua presença na Europa Ocidental, onde já existem outras operações directas, nomeadamente em países como Espanha, França e Luxemburgo
 
A Delta Cafés salienta ainda que “os helvéticos assumem-se como verdadeiros apaixonados por café tomado em casa ou fora” para além de que a Suíça beneficia de “um dos maiores PIB per capita do Mundo, fazendo dela uma economia próspera”. 
 
O Grupo Delta Cafés, líder no seu segmento em Portugal, com mais de 50 anos de história, está actualmente presente em mais de 35 países, espalhados por cinco continentes, estando directamente em Espanha, França, Luxemburgo, Suíça, Angola, Brasil e China
 
Com sede em Campo Maior, conta com mais de 3.200 colaboradores.
 
c/ Dinheiro Vivo
 

Grutas do Escoural reabrem ao público de forma regular

Escrito por quarta, 10 fevereiro 2016 02:10
Graças a um protocolo entre o Estado, autarquias e uma associação, as únicas grutas em Portugal com vestígios de arte rupestre paleolítica, as Grutas do Escoural, no concelho de Montemor-o-Novo, reabriram ao público de forma regular.
 
Ana Paula Amendoeira, Directora Regional de Cultura do Alentejo, revelou que foi encontrada  "a solução possível, dadas as circunstâncias, que assegura uma regularidade de abertura" do monumento ao público.
 
A parceria foi estabelecida entre a Direcção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlen), Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, Junta de Freguesia de Santiago do Escoural e a Associação dos Amigos Unidos pelo Escoural.
 
Descobertas em 1963 e classificadas nesse ano como Monumento Nacional, as Grutas do Escoural são constituídas por uma grande sala e múltiplas galerias, situando-se a cerca de três quilómetros da vila com o mesmo nome.
 
Ana Paula Amendoeira reconheceu que a DRCAlen tem tido "dificuldades em assegurar uma regularidade de abertura ao público" do monumento, por "falta de recursos humanos qualificados" e por "impedimento de contratação de funcionários".
 
Assegurou ainda que "não podendo nós contratar, por sermos um organismo da administração pública, trabalhámos nesta solução com as entidades parceiras para assegurarmos a abertura regular e permitir um aumento do número de visitantes".
 
Segundo a responsável, o protocolo, que vai vigorar durante um ano, estabelece que a associação assegura a contratação de um guia para a realização de visitas turísticas, a câmara fica responsável pela conservação e manutenção dos espaços exteriores junto à gruta e a junta de freguesia pelo centro interpretativo.
 
"É uma experiência piloto para ver se este modelo funciona" realçou, com "avaliações trimestrais", e que, no final, "poderá ser renovado".
 
As Grutas do Escoural vão poder ser visitadas de terça-feira a sábado, sendo necessária marcação prévia.
 
Recentemente, foi também lançado um novo folheto turístico sobre as Grutas do Escoural e o Castelo de Montemor-o-Novo, com versões em português e inglês.
 
c/ LUSA

Acidente de Campo Maior - Faleceu mãe do jovem forcado

Escrito por quarta, 03 fevereiro 2016 18:46
Aurelina Raimundo, mãe do jovem forcado Bruno Raimundo, que faleceu no acidente ocorrido na passada sexta-feira, na Estrada Nacional 373, entre Elvas e Campo Maior, não resistiu aos ferimentos graves e faleceu ao início da manhã de hoje, quarta-feira, no Hospital de São José, em Lisboa.
 
A notícia do falecimento de Aurelina Raimundo, de 47 anos e natural de Elvas, foi confirmada por Marco Raimundo, filho e irmão das vítimas mortais do acidente, esta manhã, na rede social Facebook.
Uma pessoa morreu e outras quatro ficaram feridas, na sequência de uma colisão de um automóvel com dois cavalos, ocorrida hoje, sexta-feira, perto de Campo Maior, no distrito de Portalegre.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre indicou que a vítima mortal é um jovem de 27 anos, tendo o óbito sido declarado no local, e que os feridos foram transportados para o Hospital de Santa Luzia, em Elvas.
 
Bruno Raimundo era forcado do Grupo de Forcados Académicos de Elvas, desde 2014, tendo anteriormente pertencido às formações da Tertúlia Tauromáquica do Montijo e Amadores de Portalegre.
 
Dois dos feridos ficaram em estado grave, um homem de 32 anos e uma mulher de 47.
 
Segundo o CDOS, Aurelina Raimundo, de 47 anos, e mãe da vítima mortal, foi depois transportada num helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) para o Hospital de São José, em Lisboa.
 
Ao que o "Ardina do Alentejo" conseguiu apurar, o homem de 32 anos vai igualmente ser transferido do Hospital de Santa Luzia, em Elvas, para o Hospital de São José, em Lisboa.
 
A mulher vai ser submetida a uma intervenção cirúrgica em virtude das lesões sofridas no acidente, que se estendem a fracturas múltiplas, um traumatismo craniano e diversas hemorragias.
 
Os dois feridos ligeiros são o pai de Bruno, Jerónimo Raimundo, de 48 anos, e um jovem de 26 anos.
 
O acidente ocorreu na Estrada Nacional 373, entre Elvas e Campo Maior, tendo o alerta sido dado às 05:05.
 
Residentes na cidade de Elvas, as vítimas deslocavam-se para o trabalho, a fábrica de borrachas Hutchinson, na vila vizinha de Campo Maior.
 
Os dois cavalos envolvidos no acidente não resistiram ao embate.
 
As operações de socorro mobilizaram 34 operacionais, com 15 veículos, das corporações de Bombeiros Voluntários de Campo Maior e Elvas, uma viatura de Suporte Imediato de Vida, de Elvas, uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Portalegre, um helicóptero do INEM e a Guarda Nacional Republicana (GNR).
 
A GNR procede agora a investigações para identificar o dono dos dois cavalos envolvidos no acidente, o que segundo já foi adiantado pela Rádio Elvas, já terá acontecido. As diligências estão a cargo do núcleo de investigação de acidentes de viação da força de segurança.
 
c/ SIC, Rádio Elvas e Linhas de Elvas