quarta, 13 novembro 2019
Rogério Nita, Presidente do Grupo Motard N2-8, de Ervidel, foi uma das vítimas mortais do acidente ocorrido ontem, dia 1 de Novembro, no Itinerário Principal 2 (IP2), na Vidigueira, e que provocou três mortes e três feridos.
 

A esposa de Rogério Nita, que o acompanhava na mota em que seguiam, também faleceu no acidente. Rogério Nita tinha 40 anos, e a sua esposa, Célia Teixeira, tinha 41 anos.
 
Ao que conseguimos apurar, o casal seguia numa Kawazaki ZZR 1200, tendo colidido brutalmente com um ligeiro de passageiros da marca Audi.
 
Na origem deste acidente poderá estar uma eventual inversão de marcha.
 
Neste mesmo acidente faleceu também o condutor do veículo ligeiro, residente na Guarda, e com cerca de 51 anos.
 
Rogério Nita e o condutor do ligeiro de passageiros faleceram no local do acidente, enquanto que Célia Teixeira foi ainda transportada com vida para o Hospital de Beja, onde veio a falecer.
 
Os cadáveres das três vítimas mortais encontram-se no Gabinete Médico Legal de Beja, a aguardar a realização das respectivas autópsias.
 
c/ TDS - Rádio e Televisão do Sul
 
Modificado em sábado, 02 novembro 2019 20:27
A Guarda Nacional Republicana (GNR) já identificou três pessoas envolvidas nos incidentes ocorridos durante a madrugada deste sábado, no quartel dos Bombeiros Voluntários de Borba, disse à Lusa fonte daquela força de segurança.
 
Não tendo os militares da GNR presenciado “o flagrante delito”, ou seja, as agressões, não poderá haver detenções, apenas a identificação dos suspeitos, devendo mais tarde serem presentes a tribunal, caso venha a ser apresentada queixa.
 
Segundo a mesma fonte, o processo vai seguir os trâmites normais, através do Ministério Público.
Modificado em sábado, 02 novembro 2019 19:20
Através de um comunicado enviado às redacções, a Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora mostra-se solidária para com a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Borba, depois das agressões ocorridas no quartel da corporação borbense, na madrugada deste sábado, dia 2 de Novembro.
 
Publicamos de seguida, e na íntegra, o comunicado da Federação de Bombeiros do Distrito de Évora:
 
"A Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora solidariza-se com a sua associada Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Borba, que viu nesta madrugada, as suas instalações danificadas e os seus bombeiros atacados e agredidos por cidadãos de etnia cigana.
Exara ainda o seu veemente protesto, pois esta criminalidade não pode ficar impune.
Do que estiver ao alcance desta Federação tudo faremos para dissuadir este tipo de comportamentos junto das instâncias competentes na defesa dos interesses dos homens da paz e da sociedade civil".
Modificado em sábado, 02 novembro 2019 19:02
Foi através da sua página na rede social Facebook, que os Bombeiros Voluntários de Borba denunciaram terem sido agredidos, no interior do próprio quartel, por elementos de etnia cigana, na madrugada deste sábado, dia 2 de Novembro.
 
Os Soldados da Paz revelaram ainda que foram registados vários actos de vandalismo no interior do quartel dos Bombeiros Voluntários de Borba.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar junto de fonte dos Bombeiros Voluntários, os dois elementos que se encontravam de serviço foram agredidos por um grupo de indivíduos de etnia cigana, constituído por cerca de 20 pessoas, cerca das 00:30 horas desta madrugada.
 
Segundo a mesma fonte, o grupo deslocou-se ao quartel tendo como objectivo efectuar um pedido de socorro para uma pessoa que estaria inconsciente. Quando questionados por um dos bombeiros da corporação borbense se tinham feito o pedido de socorro através do 112, de forma a ser activado o Sistema Integrado de Emergência Médica, os indivíduos responderam que não, que não o tinham de fazer, tendo mesmo afirmado que a assistência à pessoa inconsciente tinha de ser feita ali.
 
Quando o bombeiro de serviço voltou a referir que para ser feita a assistência era necessário activar o pedido de socorro através do 112, foi de imediato agredido por um dos elementos do grupo.
 
Ao que ainda conseguimos apurar, para além das agressões aos bombeiros de serviço, que tiveram de fugir e esconder-se dentro do próprio quartel, os indivíduos partiram os vidros da porta principal.
 
Os dois elementos dos Bombeiros Voluntários de Borba receberam assistência hospitalar no Centro de Saúde de Estremoz.
 
Chamada ao local, a Guarda Nacional Republicana tomou conta da ocorrência, tendo mesmo ficado no quartel de forma a garantir a segurança dos elementos da corporação.
 
No escrito publicado nas redes sociais, os Bombeiros Voluntários de Borba descrevem toda a situação ocorrida e garantem que o socorro à população irá continuar “dentro do possível”.
 
De seguida, transcrevemos na íntegra a publicação dos Bombeiros Voluntários de Borba, na rede social Facebook:
 
“HOJE CALHOU-NOS A NÓS!!!
A Associação Humanitária dos Bombeiros de Borba lamenta informar que hoje, dia 02/11 pela madrugada, os nossos elementos voluntários que se encontravam de serviço, foram cobardemente agredidos por “pessoas” de etnia cigana.
Partiram os vidros da porta principal e perseguiram por dentro do quartel os homens que tiveram que fugir e esconder-se.
Avisamos toda a população que vamos continuar a tentar socorrer e prestar assistência dentro do que nos é possível, mantendo, no entanto, a segurança dos nossos homens e mulheres em primeiro lugar.
Por fim informar que as nossas autoridades de pronto responderam à nossa chamada e que em conjunto tudo iremos fazer para que possamos continuar a assegurar a emergência nocturna.
Aproveitamos ainda para alertar quem de direito que estas situações tornam cada vez mais difícil a cativação e a prossecução do serviço voluntário”.
Modificado em sábado, 02 novembro 2019 14:05
Três vítimas mortais, e três feridos, um deles em estado grave, é o resultado de uma brutal colisão entre um veículo ligeiro de passageiros e um motociclo, ocorrida durante a tarde desta sexta feira, feriado nacional, 1 de Novembro, no Itinerário Principal 2 (IP2), perto da Vidigueira.
 
Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja, o alerta para este acidente ocorreu pelas 18:31 horas.
 
A mesma fonte informou ainda que à chegada dos meios de socorro, duas das vítimas já se encontravam cadáveres, tendo o óbito sido declarado no local.
 
Dos quatro feridos iniciais, dois foram considerados graves, sendo que os outros dois, duas crianças, com cinco e nove anos, foram consideradas feridos ligeiros. Os feridos foram transportados para o Hospital de Beja.
 
Um dos feridos acabou por falecer assim que deu entrada na unidade hospitalar. 
 
Para o local do sinistro foram mobilizados 31 operacionais, entre elementos dos bombeiros, da Guarda Nacional Republicana (GNR) e do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), sendo auxiliados por 12 viaturas, entre elas a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Heliporto de Évora e de Beja, e a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Moura.
 
Notícia actualizada às 22:31 horas. Actualizações sublinhadas a amarelo.
 
Foto interior: TDS - Rádio e Televisão do Sul
 
 
 
Modificado em sexta, 01 novembro 2019 22:42
A Arquidiocese de Évora e a Paróquia do Cano, no concelho de Sousel, celebraram um acordo que visa o restauro do órgão positivo, sito na Igreja de Nossa Senhora da Graça, a fim de evitar a sua perda total e de forma a devolvê-lo à função original.
 
Este órgão foi encomendado ao organeiro Pascoal Caetano Oldovino, em 1751, para o Convento do Salvador, em Évora
 
A importância de cuidar da sua manutenção e de o manter a funcionar com regularidade é considerada de grande interesse, sendo um grave dano e uma grande irresponsabilidade não aproveitar a oportunidade de o recuperar. Para mais, além de não ter sido construído para esta específica Igreja do Cano, encontra-se ali actualmente sem qualquer tipo de utilização e exibindo sinais de acentuada degradação.
 
Com a extinção das ordens religiosas, em 1834, todos os bens foram incorporados na Fazenda Nacional, com excepção dos vasos sagrados e paramentos. No Convento do Salvador, por morte da última freira, em 1886, feito o inventário, foram entregues ao arcebispado os bens que não foram reservados para a Fazenda Nacional, tais como alfaias religiosas, imagens, os órgãos e muitos outros objectos com menor valor patrimonial que apenas serviam para o culto. A Arquidiocese, na posse de tão grande acervo, distribuiu-os pelas paróquias consoante as necessidades.
 
Em 10 de Junho de 1887, o Arcebispo, D. Augusto Eduardo Nunes, cedeu à Igreja do Cano um dos órgãos que tinha pertencido ao Convento do Salvador. No recibo então assinado pelo Padre José Augusto de Almeida e Castro, Presidente da Junta de Paróquia, pode ler-se: “O mesmo Ex.mo Senhor Arcebispo se dignou contemplar a Egreja Parochial da mesma freguesia, na distribuição a que procedeu das objectos do culto pertencentes ao extincto convento do Salvador da cidade d’Evora, e cujo órgão, no inventario, se achava descripto sob o numero cento e vinte e oito; obrigando-se a mesma Junta, assim como as que de futuro lhe succedam, a zelar pela boa conservação do mesmo órgão”.
 
De então para cá, o órgão colocado no coro alto da igreja deve ter sido utilizado nas celebrações e apenas durante alguns anos, tendo deixado de ter manutenção, utilização e, inevitavelmente, falhando com o estabelecido no recibo de entrega, “zelar pela boa conservação do mesmo órgão”. 
 
Para mais, com o aparecimento dos harmónios, e mais recentemente de instrumentos electrónicos, o órgão foi abandonado. O mesmo aconteceu com tantos outros, destruídos ou irremediavelmente alterados, que mantêm apenas as caixas de suporte.
 
Recentemente, iniciou-se na Igreja de São Francisco, da Paróquia de São Pedro, em Évora, um processo de recuperação de órgãos de conventos extintos da Arquidiocese de Évora. Três estão activos nesta mesma Igreja de São Francisco, entre eles um órgão congénere ao existente no Cano, com a mesma data, do mesmo construtor, e do mesmo convento, que estava à guarda da Paróquia de Nossa Senhora de Machede, feitos respectivamente para o coro alto e para o coro baixo.
 
Neste momento, o referido órgão, na sequência do que já aconteceu com os outros exemplares, encontra-se a ser recuperado por uma equipa técnica especializada, de referência internacional, para que possa voltar a exercer a sua missão de tocar música sacra e litúrgica.
 
A Arquidiocese de Évora, através do seu Departamento de Bens Culturais, regozija-se com esta recuperação de mais um dos órgãos de D. Pascoal Caetano Oldovino, que marcou de modo decisivo o panorama organológico no Alentejo setecentista e a que pertencem estes dois órgãos do Convento do Salvador. 
Modificado em sexta, 01 novembro 2019 19:07
Um ferido ligeiro é o resultado de um aparatoso despiste, seguido de capotamento, de um veículo ligeiro de passageiros, registado na tarde deste feriado nacional, 1 de Novembro, na Estrada Nacional 255 (EN255).
 
Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora o alerta para esta ocorrência foi registado às 16:42 horas.
 
Para o local do sinistro foram mobilizados 11 operacionais dos Bombeiros Voluntários de Borba, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da Guarda Nacional Republicana (GNR), apoiados por seis viaturas.
 
Modificado em sexta, 01 novembro 2019 17:56
O jovem de 24 anos que conduzia o ligeiro de mercadorias que na madrugada de sábado para domingo se despistou na ponte da Barragem da Vigia, em Redondo, no distrito de Évora, da qual resultaram três vítimas mortais, e três feridos, um em estado grave e dois considerados ligeiros, tinha álcool no sangue.
 
O condutor acusou uma taxa inferior a 1,2 g/l de álcool no sangue, um valor que não é considerado crime, razão pela qual o jovem não foi detido, mas pode responder pelo crime de homicídio por negligência.
 
O acidente aconteceu depois de uma noite de festa onde foi consumido muito álcool. Horas antes do despiste, os jovens partilharam várias fotografias nas redes sociais.
 
O alerta para um despiste de uma viatura ligeira de mercadorias, ocorrido na Estrada Regional 381 (ER 381), entre a localidade de Montoito e a vila de Redondo, foi dado às 05:10 horas.
 
À chegada ao local, as autoridades depararam-se com um cenário macabro e que fugia da tipologia normal de um despiste, desde logo devido ao número de vítimas, seis no total, quando a única viatura sinistrada era uma carrinha comercial e que deveria circular apenas com o número máximo de dois passageiros.
 
Todas as vítimas estavam fora da viatura e havia sinais de arrastamento de corpos registados na via, factos que obrigaram as autoridades a colocarem como hipótese outra realidade que a de apenas um despiste.
 
A Polícia Judiciária (PJ) foi activada e esteve durante todo o dia a fazer diligências para tentar entender o que se passou neste despiste.
 
Todas as vítimas são jovens, com idades compreendidas entre os 19 e os 24 anos.
 
As vítimas mortais foram Jéssica Silva, de 19 anos, Filipe Rêgo, de 23 anos, e Alfredo Reis, de 24 anos. 
 
Entre os feridos, que foram transportados para o Hospital do Espírito Santo, em Évora, com protecção policial, estão Carolina Medinas, de 20 anos, Tiago Frade, de 23 anos e Filipe Faleiro, de 24 anos.
 
Os jovens eram todos residentes nos concelhos de Reguengos de Monsaraz e Évora. 
 
A ER 381 esteve cortada mais de 11 horas.
 
A PJ já afastou a hipótese de crime com a intervenção de terceiros, faltando agora apurar as reais circunstâncias deste despiste fatal para três jovens do distrito de Évora. 
 
c/ CMTV
Modificado em segunda, 28 outubro 2019 19:18
Na manhã do passado sábado, dia 26 de Outubro, o despiste de uma viatura que participava na mítica prova Baja Portalegre 500, provocou um ferido grave.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, o ferido deste acidente é um homem, de 62 anos de idade, natural do Porto e residente na localidade de Chança, no concelho de Alter do Chão, e que se encontrava a assistir à prova de todo-o-terreno e a recolher algumas fotografias, numa zona onde se encontrava algum público.
 
Junto ao cemitério da Chança, após uma recta, e numa curva apertada, o veículo entrou em despiste, tendo o condutor perdido o controlo da viatura, acabando esta por embater no espectador.
 
O helicóptero da prova foi accionado para o transporte do sinistrado para o Hospital Distrital Dr. José Maria Grande, em Portalegre.
 
Em declarações à Rádio Portalegre, o porta-voz da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), Ilídio Pinto Cardoso, referiu que a vítima sofreu vários traumatismos e ficou em estado muito grave, acabando por ser evacuada de helicóptero, ao final da tarde de sábado, para o Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.
 
O mesmo responsável acrescentou que o presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), Carlos Barbosa, deslocou-se até ao Hospital de Portalegre para manifestar e disponibilizar o seu apoio.
 
Ardina do Alentejo apresenta-lhe de seguida o vídeo do acidente, captado pela objectiva de Nelson Botelho. Alertamos que as imagens poderão ferir a susceptibilidade de pessoas mais sensíveis.
 

Modificado em segunda, 28 outubro 2019 16:21