quarta, 03 março 2021

No passado dia 21 de Novembro de 2020, após um Conselho de Ministros extraordinário, o Governo liderado por António Costa anunciou que os 308 concelhos de Portugal passariam a estar divididos entre concelhos de Risco Moderado (menos de 240 casos por 100 mil habitantes), Risco Elevado (mais de 240 casos/100 mil habitantes), Risco Muito Elevado (480 casos por 100 mil habitantes) e Risco Extremamente Elevado de contágio por Covid-19 (960 casos por 100 mil habitantes).

 

No dia de ontem, segunda-feira, 01 de Março, e no seu já tradicional Relatório da Situação Epidemiológica em Portugal, a Direcção-Geral de Saúde actualizou os dados dos casos confirmados de Covid-19 por concelho, tendo por base a incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes. Estes últimos dados revelados referem-se ao período de 14 dias entre 10 e 23 de Fevereiro de 2021.
 
Olhando para esses mesmos números, Ardina do Alentejo mostra-lhe de seguida o nível de risco de contágio para a Covid-19 em que se encontram os 47 concelhos alentejanos.
 
De acordo com o último relatório epidemiológico divulgado, há em Portugal apenas três concelhos com mais de 960 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, ou seja, incluídos no nível de concelho de Risco Extremamente Elevado de contágio por Covid-19, o que equivale a dizer que são menos 12 concelhos neste patamar em relação à passada semana. E desses três, há um concelho que se localiza na região abrangida pela Administração Regional de Saúde do Alentejo (ARS Alentejo): Arronches, no distrito de Portalegre.
 
O mesmo relatório mostra que no nível de concelho de Risco Muito Elevado de contágio por Covid-19 estão 14 concelhos (menos 83 que no último relatório), sendo que cinco deles estão no território alentejano: Arraiolos, no distrito de Évora, e quatro no distrito de Beja (Aljustrel, BarrancosCastro Verde e Ferreira do Alentejo).
 
No patamar de concelho de Risco Elevado de contágio por Covid-19, o segundo menos gravoso desta hierarquia, encontram-se 96 concelhos (eram 116 na passada segunda-feira), sendo que 11 desses concelhos situam-se em terras alentejanas: três no distrito de Portalegre (Castelo de Vide, Monforte e Sousel), Estremoz e Viana do Alentejo, no distrito eborense, Mértola, Moura e Odemira, no distrito de Beja, Sines, Grândola e Alcácer do Sal, no Litoral Alentejano.
 
No relatório epidemiológico divulgado no dia de ontem, são 30 os concelhos alentejanos no nível menos grave, o nível de concelho de Risco Moderado de contágio por Covid-19: 11 no distrito de Évora (Alandroal, BorbaÉvora, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Vila Viçosa), 11 no distrito de Portalegre (Alter do Chão, Avis, Campo Maior, Crato, Elvas, Fronteira, Gavião, Marvão, NisaPonte de Sôr e Portalegre), AlmodôvarAlvito, Beja, Cuba, Ourique, Serpa e Vidigueira, no distrito de Beja, e Santiago do Cacém, no Litoral Alentejano. A nível nacional, estão contabilizados 195 concelhos neste patamar, mais 115 do que os registados no boletim da passada semana.
 
Concelhos que passaram de Risco Extremamente Elevado (4) para Risco Muito Elevado (3):
Aljustrel e Ferreira do Alentejo
 
Concelhos que passaram de Risco Extremamente Elevado (4) para Risco Elevado (2):
Castelo de Vide e Moura
 
Concelhos que passaram de Risco Extremamente Elevado (4) para Risco Moderado (1):
Gavião
 
Concelhos que passaram de Risco Muito Elevado (3) para Risco Elevado (2):
Estremoz, Sousel, Mértola, Odemira, Grândola e Alcácer do Sal
 
Concelhos que passaram de Risco Muito Elevado (3) para Risco Moderado (1):
Alandroal, Vila Viçosa e Serpa
 
Concelhos que passaram de Risco Elevado (2) para Risco Muito Elevado (3):
Barrancos
 
Concelhos que passaram de Risco Elevado (2) para Risco Moderado (1):
Borba, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas, Campo Maior, Fronteira, Nisa, Beja, Cuba, Ourique, Vidigueira e Santiago do Cacém
 
Concelhos que passaram de Risco Moderado (1) para Risco Elevado (2):
Monforte
 
Os restantes 20 concelhos alentejanos mantiveram inalterado o seu nível de risco de contágio por Covid-19: Arronches (Nível 4 - Risco Extremamente Elevado), Arraiolos e Castro Verde (Nível 3 - Risco Muito Elevado), Viana do Alentejo e Sines (Nível 2 - Risco Elevado), e Évora, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Alter do Chão, Avis, Crato, Elvas, Marvão, Ponte de Sôr, Portalegre, Almodôvar e Alvito  (Nível 1 - Risco Moderado).
 
 
 
 
Modificado em terça, 02 março 2021 18:05
E está de parabéns a AMETISTA - Equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos.
 
As médicas Liliana T. Sousa, Rosa Carvalho, Susana Gomez e Sílvia Villar, a psicóloga Helena Chouriço, a assistente social Vera Romero, e as enfermeiras Cristina Madeira, Joaquina Serra e Raquel Lopes compõem uma equipa que há três anos percorre todo o distrito de Évora, a cuidar de quem mais precisa.
 
Durante este mês de Março, a AMETISTA - Equipa Comunitária de Suporte em Cuidados Paliativos irá assinalar o seu terceiro aniversário, com a realização de vários eventos e com a publicação de alguns textos no Ardina do Alentejo e em diversos órgãos de comunicação social.
 

Modificado em terça, 02 março 2021 11:56
Após a diminuição da pressão nos internamentos de doentes com Covid-19, o Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) está a retomar, de forma gradual, a realização de cirurgias programadas.
 
A Presidente do Conselho de Administração do HESE, Maria Filomena Mendes indicou à LUSA que a retoma destas cirurgias começou "há duas semanas, com a reversão de uma enfermaria que estava dedicada a doentes com Covid-19".
 
Maria Filomena Mendes adiantou que "quando começou a diminuir a pressão sobre os internamentos, começámos a libertar enfermarias que tínhamos adaptado, no período de maior intensidade, para doentes Covid-19, o que permitiu retomar as intervenções que estavam suspensas" adiantou Maria Filomena Mendes.
 
A responsável notou que o hospital eborense "nunca parou e continuou a responder a grande parte das consultas e exames", mas, na actividade cirúrgica, "foi mais difícil, porque as enfermarias de cirurgia e ortopedia passaram a receber doentes com Covid-19" acrescentando que "só quando libertámos estas enfermarias é que conseguimos responder plenamente à actividade cirúrgica de doentes não Covid".
 
Devido ao período mais grave da pandemia no Alentejo, em Janeiro deste ano, a unidade hospitalar suspendeu as cirurgias que não eram prioritárias e as que não foram consideradas inadiáveis.
 
"Mesmo no pico da pandemia no Alentejo e, consequentemente, no nosso hospital, foram feitas todas as cirurgias que os médicos assistentes dos doentes e os directores dos serviços entenderam como inadiáveis", sublinhou a Presidente do Conselho de Administração do HESE.
 
Quanto à realização, neste período, de exames e consultas, frisou a responsável, o HESE manteve "um volume muito significativo” nas áreas de especialidade que "não estiveram tão envolvidas na resposta aos doentes Covid-19".
 
Maria Filomena Mendes assinalou que o HESE teve "uma grande concentração de doentes" com Covid-19 em Janeiro e no início de Fevereiro.
 
Do total de 700 doentes com Covid-19 internados na unidade hospitalar desde o início da pandemia, "mais de 50% foram já em 2021", destacou.
 
"Esta situação fez com que houvesse uma grande necessidade de existirem instalações adaptadas como também de mobilizar todas as equipas para dar resposta aos doentes infectados pelo coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença Covid-19" disse.
 
De acordo com Maria Filomena Mendes, com a diminuição da pressão nos internamentos, o HESE passou de cerca de 100 camas para Covid-19 para as actuais 32, em duas enfermarias.
 
Já a Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) manteve a sua capacidade máxima de 19 camas.
 
c/ LUSA
Modificado em segunda, 01 março 2021 23:58
A Polícia de Segurança Pública (PSP) interrompeu no dia de ontem, sexta-feira, 26 de Fevereiro, uma festa ilegal que decorria no interior de uma residência em Évora.
 
Vários agentes daquela força policial deslocaram-se ao local por suspeita da realização de uma festa com várias pessoas no seu interior.
 
Em comunicado enviado às redacções, a PSP informou que, no total, participavam neste convívio, que se descobriu posteriormente tratar-se de uma festa de aniversário, 25 pessoas.
 
A PSP explica ainda que após ter sido ordenado o fim da festa, e a consequente saída dos participantes para o exterior da residência, “aqueles que não eram moradores foram identificados e abandonaram o local, tendo sido informados que a sua conduta não era permitida face ao estado de emergência em vigor”.
 
Desta acção resultou a autuação de 10 pessoas pelo incumprimento do dever geral de recolhimento domiciliário. A força policial refere que esta festa de aniversário era maioritariamente composta por crianças e adolescentes, com as coimas a serem distribuídas pelos adultos.
Modificado em sábado, 27 fevereiro 2021 19:38
A Arquidiocese de Évora informou recentemente que as oito Irmãs Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará, que virão constituir uma Comunidade Monástica Contemplativa na Cartuxa de Évora, chegarão à cidade-museu na próxima sexta-feira, dia 5 de Março.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, enquanto as obras de adaptação decorrerem no Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli, a Cartuxa de Évora, estas oito Irmãs, de várias nacionalidades, irão habitar uma casa preparada para o efeito, contígua à Igreja de São Francisco, na Paróquia de São Pedro, em Évora.
 
A arquidiocese eborense informou ainda estar previsto que depois do concurso de adjudicação da obra no Mosteiro da Cartuxa, que decorre neste momento, as obras tenham a duração de seis meses. Deste modo, está previsto que as Irmãs comecem a habitar a Cartuxa de Évora, permitindo assim que aquele espaço sagrado continue a ser um “pulmão espiritual” na cidade e na Arquidiocese, no terceiro trimestre do corrente ano de 2021.
 
Esta comunidade que chegará a Évora terá como Prioresa uma Irmã de origem holandesa.
Modificado em sábado, 27 fevereiro 2021 00:14
Através do Núcleo de Protecção Ambiental (NPA) de Elvas, o Comando Territorial de Portalegre da Guarda Nacional Republicana (GNR), detetou no passado dia 24 de Fevereiro, quarta-feira, no concelho de Monforte, o corte rente e a poda mal executadas de cerca de 3 mil azinheiras.
 
Em comunicado, a GNR refere que “no âmbito de uma acção de patrulhamento de protecção florestal, os militares da Guarda detectaram, numa área aproximada de 42 hectares, o corte rente de 1 939 azinheiras em bom estado vegetativo e a poda mal executada de 1 058 azinheiras, também em bom estado vegetativo”.
 
A força de segurança avança ainda que “em colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), na avaliação do impacto no ecossistema e a destruição do estado vegetativo das árvores, foi elaborado um auto de contraordenação por falta de autorização do corte de azinheiras adultas e de poda mal executada”.
 
Na mesma missiva é ainda referido que foi elaborado um auto de notícia por danos contra a natureza. Os factos foram remetidos para o Tribunal Judicial de Portalegre.
 
No final do comunicado a GNR recorda que “o corte ou arranque das espécies de azinheira e sobreiro em povoamento ou isolados, carece de autorização prévia, uma vez que estas espécies incluem alguns dos biótopos mais importantes ocorrentes em Portugal Continental, em termos de conservação da natureza. Desempenham assim uma importante função na conservação do solo, na regularização do ciclo hidrológico e na qualidade da água. Têm ainda um elevado interesse económico a nível local, desempenhando um papel fundamental na produção animal, nomeadamente destinada a produtos tradicionais”.
Modificado em sexta, 26 fevereiro 2021 17:14

Em virtude da situação epidemiológica vivida em Portugal desde Março de 2020, e devido ao facto do país continuar, até ao próximo dia 16 de Março, em Estado de Emergência e consequentemente obrigado a um novo confinamento geral, o Município de Alandroal mantém em execução 30 Medidas Locais de Apoio no âmbito da Covid-19.

Segundo a autarquia liderada por João Grilo, este pacote de medidas corresponde a um investimento de um milhão de euros, sendo que 600 mil euros estão comprometidos desde Março de 2020 até aos dias de hoje e os restantes 400 mil serão aplicados nos próximos meses.
 
Ardina do Alentejo apresenta-lhe de seguida as 30 Medidas Locais de Apoio no âmbito da Covid-19 determinadas pela Câmara Municipal de Alandroal, sendo que 14 destinam-se às famílias do concelho, oito a empresas do concelho e oito às instituições e associações do concelho alandroalense.
 
FAMÍLIAS
  • Refeições gratuitas para todos os alunos do 2º e 3º Ciclo (além do Pré-Escolar e 1º Ciclo), com o regresso do ensino presencial.
  • Passes escolares gratuitos para todos os alunos até ao 12º ano, com o regresso do ensino presencial.
  • Disponibilização de equipamentos informáticos, ligações à internet e impressões para ensino à distância, para todos os docentes e alunos.
  • Entrega de refeições a alunos do Pré-Escolar e 1º Ciclo com acção social escolar durante o confinamento.
  • Apoio no pagamento da água, electricidade e gás a famílias economicamente desfavorecidas, até 100 euros mensais, mediante apresentação de facturas.
  • Suspensão dos cortes de água, prorrogação dos planos de pagamento, suspensão de juros de mora e outras taxas aplicáveis a facturas em atraso.
  • Apoio a famílias com infecção COVID-19 ou em isolamento com máscaras, desinfectantes, equipamentos de medição de temperatura e entrega de bens de primeira necessidade ou refeições.
  • Apoio em situações de emergência social ou habitacional mediante avaliação e acompanhamento.
  • Transporte gratuito para o Centro de Vacinação COVID-19 de todos os munícipes sem meios próprios.
  • Distribuição gratuita de máscaras a todos os munícipes.
  • Parceria com a DECO para apoio gratuito aos munícipes.
  • Programa de Voluntariado para actuação em Situações de Emergência COVID-19.
  • Actividades on-line da Academia do Sucesso para as crianças.
  • Aulas on-line de Português para Estrangeiros e de Fitness para todas as faixas etárias.
 
EMPRESAS
  • Comparticipação dos restantes 20% de despesa não coberta pelo programa ADAPTAR, do Governo, para candidaturas aprovadas e 100% para candidaturas não apoiadas por falta de dotação do programa.
  • Comparticipação de valor igual ao obtido pelas empresas do concelho nos programas de apoio do Governo (APOIAR RESTAURAÇÃO – 1ª Fase, APOIAR.PT, APOIAR RESTAURAÇÃO, APOIAR + SIMPLES e APOIAR Rendas).
  • Comparticipação de valor igual ao obtido pelos empresários em nome individual, com estabelecimentos encerrados, nos programas de apoio da Segurança Social.
  • Parceria com a ADRAL e envolvimento do GIP no apoio aos empresários no requerimento de apoios do Estado criados no contexto da pandemia.
  • Compra de vouchers-refeição e vouchers-alojamento aos restaurantes e alojamentos locais do concelho para apoio a despesas urgentes de tesouraria.
  • Distribuição de viseiras, máscaras e luvas em todos os espaços comerciais, pequenas empresas com venda ao público, venda porta a porta e entregas ao domicílio.
  • Suspensão do pagamento de taxas de ocupação de espaço público, esplanadas e publicidade.
  • Suspensão do pagamento das rendas mensais dos espaços comerciais propriedade do Município.
 
INSTITUIÇÕES / ASSOCIAÇÕES
  • Apoio de 20.000 euros para a compra, através da CIMAC, de ventiladores para o Hospital do Espírito Santo de Évora.
  • Oferta de uma viatura, equipamentos médicos e equipamentos individuais de protecção ao Centro de Saúde de Alandroal.
  • Oferta de uma ambulância, pórtico de desinfecção, equipamentos individuais de protecção e testes regulares à COVID-19 aos Bombeiros Voluntários de Alandroal.
  • Oferta de uma viatura 4x4 e equipamentos individuais de protecção à GNR de Alandroal.
  • Oferta continuada de equipamentos individuais de protecção, desinfecções de instalações, testes à COVID-19 e apoio para obras de adaptação nas três IPSS do concelho com Estrutura Residencial para Idosos.
  • Apoio à Autoridade de Saúde Pública com recursos humanos (quatro técnicos superiores) nos procedimentos de rastreios e acompanhamentos COVID-19.
  • Instalação de pórticos de desinfecção, toldos de protecção e aquisição de equipamentos de desinfecção por ozono para as escolas do concelho.
  • Apoio extraordinário às creches do concelho para manutenção da actividade.
Modificado em sexta, 26 fevereiro 2021 00:28
Muitas das pequenas cidades de Portugal são terras perdidas no tempo”.
 
É assim que começa um dos mais recentes artigos do blogue Zox Press sobre Portugal. Nesta peça, este blogue internacional direccionado para o turismo e para as viagens, e que conta já com vários artigos sobre o nosso país, dá destaque às 14 mais encantadoras pequenas cidades e vilas de Portugal.
 
Segundo o autor da peça "14 Most Charming Smalls Town In Portugal”, nessas localidades “os residentes ainda fazem Vinho do Porto à moda antiga, cozinham com antigas técnicas alentejanas e preferem os burros como meio de transporte”. E acrescenta: “Não são muitos os turistas que chegam a estas fatias da história europeia, por isso espere uma experiência autêntica, embora em ritmo lento”.
 
Entre essas 14, há quatro que se localizam no Alentejo, e o Zox Press escreve assim sobre cada uma delas:
 
ELVAS
Guardando mais uma importante encruzilhada entre Portugal e Espanha, Elvas está inserida numa fortificação em forma de estrela. As fortificações quadradas permitem que os atacantes se concentrem nos cantos, onde menos defensores poderiam repelir o ataque, mas não há cantos fracos para atacar uma fortificação em forma de estrela, pois as flechas podem chover de todas as direcções.
Passeie pelo extremo sul da fortificação para descobrir passagens ocultas e a história ganha vida. 
A Praça da República, no centro da cidade, guarda uma bela catedral e a cidade ainda usa antigos aquedutos para água potável. Repleta de jóias, Elvas não é visitada por tantos turistas como outras pequenas vilas de Portugal, pelo que os seus passeios turísticos terão de acontecer ao ritmo dos habitantes locais.
 
CASTELO DE VIDE
Você encontrará Castelo de Vide bem no centro da fronteira este de Portugal com Espanha. Menos de 4 mil pessoas vivem nesta autêntica pequena cidade. 
Uma das poucas atracções da cidade, além do seu castelo medieval, é a água mineral cristalina, limpa e refrescante que foi direccionada de forma a correr em várias pequenas fontes.
A vida aqui corre lentamente. Acorde cedo e veja as mulheres a compartilhar histórias e a fazer crochet nos degraus de entrada das suas casas, as crianças a jogar à bola em pequenas e estreitas ruas, e os homens a jogar às cartas nas esplanadas dos cafés. Ficará igualmente encantado com a vista desta cidade desde o topo da colina.
 
MARVÃO
Construída no alto de uma colina, descansa Marvão. Esta cidade, com menos de 5 mil habitantes, não é para os fracos de coração. Os becos estreitos e antigos da cidade são esculpidos num penhasco que se projecta sobre a encosta.
As casas de Marvão são luminosas e adornadas com flores. A vista, de tirar o fôlego, é deslumbrante e panorâmica permitindo-lhe contemplar as paisagens da zona oriental de Portugal. Um castelo defende a cidade, mas não há registo na história de cercos ou guerras, o que permitiu que os prédios antigos tenham ficado intactos. Um punhado de quartos atrai os viajantes que percorrem a estrada pouco movimentada.
 
MONSARAZ
Monumentos megalíticos da pré-história erguem-se como um misterioso Stonehenge nos arredores de Monsaraz, uma das povoações mais antigas do sul de Portugal. Como a maioria das cidades na fronteira entre Espanha e Portugal, o castelo de Monsaraz foi construído no alto de uma colina para defender a povoação. Os Mouros, os Cristãos e os Cavaleiros dos Templários governaram o castelo em algum momento da história, cada um deixando uma marca cultural.
A gastronomia alentejana e o turismo são agora as maiores atracções da cidade. As ruas antigas ziguezagueam por entre casas irregulares nesta sonolenta e autêntica cidade portuguesa.
Modificado em quinta, 25 fevereiro 2021 18:20
Através do Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), o Comando Territorial de Évora da Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve ontem, quarta-feira, dia 24 de Fevereiro, no concelho de Vila Viçosa, um homem de 38 anos pelo crime de violência doméstica.
 
Em comunicado, a força de segurança informa que “no decorrer de uma investigação, os militares da Guarda apuraram que o suspeito, consumidor habitual de bebidas alcoólicas e produtos estupefacientes, manteve um relacionamento amoroso com a vítima, sua ex-companheira, de 35 anos, durante um ano, altura em que a agrediu física, psicológica e emocionalmente”. 
 
A GNR salienta que “no decorrer das diligências policiais, foi dado cumprimento a um mandado de detenção”.
 
O detido foi presente ainda durante o dia de ontem a primeiro interrogatório, no Tribunal Judicial de Vila Viçosa, ficando sujeito às medidas de coação de proibição de contactar a vítima por qualquer forma ou meio e proibição de aproximação da vítima, controlado por pulseira electrónica.
Modificado em quinta, 25 fevereiro 2021 15:53