sexta, 19 outubro 2018

Faleceu a deputada Odete Silva

Escrito por quinta, 10 março 2016 11:54
A Assembleia da República aprovou, esta quinta-feira, 10 de Março, um voto de pesar pelo falecimento da deputada do PSD Odete Silva, de 44 anos, que morreu esta madrugada vítima de doença oncológica.
 
Odete Silva, nascida a 18 de Setembro de 1971, no Porto, era deputada eleita pelo círculo de Lisboa na presente legislatura, presidente da comissão política do PSD de Vila Franca de Xira e deputada na Assembleia Municipal daquele concelho, tendo também assumido a direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Santa Iria.
 
"Desde cedo se dedicou de forma empenhada à causa pública, abraçando projectos políticos, mas também cívicos", destaca o voto de pesar, recordando também a "mãe extremosa, esposa dedicada, mulher combativa e solidária".
 
No Parlamento, Odete Silva integrava as comissões de Economia, Inovação e Obras Públicas, a comissão de Saúde, e, como suplente, as comissões de Agricultura e Mar e a comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização e Poder Local.
 
A deputada manteve-se em funções até ao início de fevereiro, altura em que a doença não terá permitido continuar a participar nas reuniões do plenário.
 
"É um choque muito grande que sentimos no PSD pela partida de uma colega que muito estimávamos e que nos acompanhou na última legislatura e nesta, uma colega com um espírito muito construtivo e jovial", afirmou o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, em declarações à Lusa.
 
c/ Jornal de Notícias, Lusa e Observador
 
A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) alertou hoje, quinta-feira, dia 25 de Fevereiro, para a possibilidade de inundações nas zonas mais vulneráveis devido ao agravamento das condições meteorológicas, a partir da madrugada de sexta-feira, com queda de neve, chuva e vento muito forte.
 
Em comunicado, a ANPC refere que é esperado, para os próximos dias, um agravamento das condições meteorológicas, com especial incidência nas regiões a norte do Rio Tejo, Alto Alentejo, Minho e Douro Litoral.
 
No aviso à população sobre as medidas preventivas, a Protecção Civil chama a atenção para a "possibilidade de inundações nas zonas historicamente vulneráveis".
 
O alerta da ANPC surge após o contacto realizado com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê queda de neve acima dos 1.000 a 1.200 metros de altitude, a partir do fim da madrugada de sexta-feira, descendo a cota gradualmente a partir do início da tarde para os 400 e 600.
 
No Sábado, a neve poderá cair em regime de aguaceiros acima dos 200 a 400 metros de altitude, podendo atingir as regiões do sul.
 
Segundo o IPMA, a chuva vai cair por vezes forte, podendo acumular entre 30 e 40 mililitros em seis horas, passando a aguaceiros por vezes fortes de granizo e acompanhados de trovoada, entre o fim da madrugada e o fim do dia de sexta-feira, em especial no período entre o início da manhã e o meio da tarde.
 
O vento vai soprar forte, podendo atingir os 100 quilómetros por hora nas terras altas, a partir do fim da madrugada de amanhã, sexta-feira, e até domingo. Durante este período também se vai registar agitação marítima, com ondas de altura significativa.
 
Tendo em conta as condições meteorológicas, a ANPC alerta para o piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo, possibilidade de cheias rápidas em meio urbano e de inundações, além da possível queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte.
 
A Protecção Civil chama também a atenção para possíveis acidentes na orla costeira, danos em estruturas montadas ou suspensas e dificuldades de drenagem em sistemas urbanos.
 
Como medidas preventivas, a ANPC recomenda à população que adopte uma condução defensiva, reduza a velocidade, transporte e coloque correntes de neve nas viaturas sempre que se circular nas áreas atingidas pela queda de neve, não atravesse zonas inundadas e garanta uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes e placards.

Morreu o actor eborense Joaquim Rosa

Escrito por quinta, 25 fevereiro 2016 02:31
Vítima de doença, morreu aos 89 anos, na noite de ontem, quarta-feira, 24 de Fevereiro, o actor eborense Joaquim Rosa, disse à Lusa fonte da Casa do Artista.
 
O actor faleceu às 21.45 horas, na Casa do Artista, onde residia já há alguns anos com a sua mulher.
 
Joaquim Rosa fez carreira no teatro e no cinema, mas também na televisão, tendo participado em várias séries e telenovelas, incluindo “Claxon”, "A Viúva do Enforcado", "A Banqueira do Povo" e "Médico de Família".
 
Com o personagem "Padre Mariano", o actor fez ainda uma participação especial na telenovela da TVI, "Flor do Mar", exibida entre 2008 e 2009.
 
Integrou vários espectáculos do produtor teatral Filipe La Féria e actuou em algumas produções escritas por Francisco Moita Flores.
 
A mesma fonte informou que a data e hora do funeral só vão ser confirmados durante o dia de hoje.

Uma fotografia na Patagónia chilena deu a Adriano Neves, um lugar entre os finalistas dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony, o único português entre cerca de 270 representantes de mais de 60 países, foi ontem, segunda-feira, anunciado.

Adriano Neves é um dos dez finalistas da categoria “Open Travel”, aberta a fotógrafos não profissionais, com o tema “Viagem”.
 
Com os Cuernos del Paine, dois picos das cordilheiras montanhosas do Parque Nacional Torres del Paine, refletidos sobre o Lago Nordenskjöld, a fotografia foi feita ao início da manhã e o autor disse à Lusa que se destacou pela “forte mensagem de serenidade, acompanhada também de uma complexidade visual que a torna bastante intrigante”.
 
A fotografia foi captada durante uma viagem pela América do Sul, no ano passado, mas, para ter acesso a esta paisagem, Adriano Neves precisou de algum esforço.
 
Para chegar a este local em concreto, acampámos junto ao Lago Pehoé e arrancámos de madrugada, com muito poucas horas dormidas, para a zona da Cascata Salto Grande e do Lago Nordenskjöld”, contou.
 
Apesar de ter formação em Engenharia Civil, Adriano Neves, natural de Tomar e residente em Lisboa, assume como actividade profissional a fotografia, nas áreas de arquitectura e de viagem, sobretudo na vertente de paisagem.
 
Adquiriu a primeira câmara semiprofissional há apenas três anos, mas desde então passou a dedicar-se mais ao passatempo e a tratar as suas viagens “como pequenos projectos de aprendizagem e construção de portfólio”.
 
Adriano Neves já tinha sido seleccionado no ano passado para esta mesma competição, e a sua fotografia, feita na Islândia, foi considerada a melhor entre candidatos portugueses, tendo ainda sido incluída nas 50 melhores da categoria “Panorâmica”.
 
A sua fotografia foi uma das mais de 230 mil imagens submetidas a concurso por fotógrafos de 186 países, tendo Portugal quase duplicado, segundo a organização, o número de entradas relativamente a 2014.
 
Adriano Neves vai conhecer, a 29 de Março, se é vencedor ou não na sua categoria, mas terá de esperar até 21 de Abril, para saber se foi escolhido como "Fotógrafo do Ano", nas secções abertas a não profissionais, e se ganhou os 5.000 dólares (4.538 euros) do respectivo prémio.
 
O resultado será anunciado numa gala em Londres, a par dos vencedores das categorias para profissionais, para jovens e para estudantes.
 
Entretanto, a fotografia de Adriano Neves fará parte de uma exposição dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony, em Londres, de 22 de Abril a 08 de Maio, e será incluída na edição do livro que contém as melhores imagens da competição deste ano.
 
c/ LUSA

Presidente Cavaco Silva condecora ex-ministros

Escrito por quinta, 11 fevereiro 2016 00:02
O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, vai condecorar na próxima sexta-feira, dia 12 de Fevevreiro, oito antigos governantes, entre os quais os antigos ministros das Finanças Vítor Gaspar e Luís Campos e Cunha e os ex-ministros da Educação Nuno Crato e Maria de Lurdes Rodrigues.
 
Segundo fonte oficial de Belém, na cerimónia serão ainda agraciados o ex-ministro da Economia Álvaro Santos Pereira, o antigo titular das pastas das Finanças e da Segurança Social António Bagão Felix, o antigo ministro da Saúde Paulo Macedo e ex-ministro da Administração Interna Rui Pereira.
 
Os oito antigos ministros serão condecorados sexta-feira com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.
 
O antigo ministro da Economia António Pires de Lima será igualmente agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, mas receberá as insígnias posteriormente, devido ao facto de na sexta-feira se encontrar ausente no estrangeiro.
 
De acordo com a página das Ordens Honoríficas Portuguesas na internet, a Ordem do Infante D. Henrique destina-se "a distinguir quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no país e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua história e dos seus valores".
 
A cerimónia de condecoração decorrerá pelas 16 horas, no Palácio de Belém.
 
c/ LUSA

Governo volta a dar tolerância de ponto no Carnaval

Escrito por quinta, 04 fevereiro 2016 13:32
Na próxima terça-feira, 9 de Fevereiro, dia de Carnaval, os funcionários públicos não trabalham.
 
O Governo prepara-se para aprovar, em Conselho de Ministros, um despacho a dar tolerância de ponto aos trabalhadores da função pública, retomando uma prática interrompida pelo anterior executivo.
 
O primeiro-ministro António Costa vai assim cumprir o que prometeu antes de chegar ao Governo, depois de ter criticado o anterior executivo por sempre ter recusado dar tolerância de ponto aos funcionários públicos.
 
A decisão de Passos Coelho gerou polémica e levou a que uma parte significativa dos municípios, sobretudo aqueles com tradição de festejar o Carnaval, tivesse decidido dar "folga" aos seus trabalhadores nos últimos anos, ao arrepio do que era a decisão governamental para os restantes funcionários públicos.
 
c/ Público
 
Está eleito o novo Presidente da República. Como era expectável, Marcelo Rebelo de Sousa é o novo inquilino do Palácio de Belém, com uma vitória em todos os distritos, acontecimento inédito numa primeira volta. Tomará posse a 9 de Março.
 
António Sampaio da Nóvoa, que ficou em segundo lugar, foi o último a assumir a derrota. Como mandam as regras.
 
Marcelo Rebelo de Sousa será o novo Presidente da República Portuguesa. Será o quinto Presidente eleito desde o 25 de Abril de 1974.
 
O novo Presidente da República foi eleito com 52% e quase dois milhões e meio de votos, vencendo em todos os distritos, algo que nunca nenhum candidato conseguiu à primeira eleição. Tanto Mário Soares como Cavaco Silva conseguiram o pleno em todos os distritos, mas foi na eleição para o seu segundo mandato. Com todas as freguesias apuradas, e apesar da vitória incontestada, Marcelo alcançou o terceiro pior resultado eleitoral de um vencedor à primeira volta em presidenciais. Menos só Cavaco Silva em 2006 (50,54%) e Freitas do Amaral em 1986 (46,31%).
 
António Sampaio da Nóvoa, que obteve 22,89% dos votos, felicitando Marcelo Rebelo de Sousa disse: "A partir de agora, Marcelo Rebelo de Sousa é o meu Presidente".
 
Maria de Belém foi a primeira a felicitar Marcelo Rebelo de Sousa e a assumir-se como vencida. As grandes surpresas da noite foram mesmo o baixo resultado alcançado por Maria de Belém Roseira, que se ficou pelos 4,24%, bem como o terceiro lugar atingido por Marisa Matias, a candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, que chegou aos 10,13%.
 
Em quinto lugar surge Edgar Silva, o candidato do Partido Comunista Português, com 3,95% dos votos, seguindo-se Vitorino Silva (3,28%), Paulo de Morais (2,15%), Henrique Neto (0,84%), Jorge Sequeira (0,3%) e Cândido Ferreira (0,23%).
 
No discurso de vitória, no hall da Faculdade de Direito, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que quer "fomentar a unidade nacional", não olhando a esforços para "unir aquilo que as conjunturas dividam e estreitando a relação entre todos" porque "quanto mais coesos formos mais fortes seremos".
 
Como segunda meta, o professor pretende "reforçar a coesão social, pessoal e territorial por imperativo da Constituição e por convicção pessoal". Marcelo promete ser "politicamente imparcial", mas assevera que "não deixarei de ser socialmente actuante".
 
Em terceiro lugar, o vencedor da noite quer "promover convergências políticas" que permitam colmatar a cultura de compromisso e de consenso que se perdeu nos últimos anos. 
 
Como quarta tarefa Marcelo estabelece a necessidade de "incentivar o frutuoso relacionamento entre órgãos de soberania e os agentes políticos, económicos e sociais".
 
Por último, o futuro Presidente define como desafio "conciliar a justiça social com o crescimento económico e a estabilidade financeira".
 
c/ Jornal de Negócios e Público
 
A forte queda do preço do petróleo vai, esta semana, reflectir-se na hora de encher o combustível.
 
Fontes do sector avançaram ao Diário Económico que haverá “uma descida de 3,5 cêntimos por litro no gasóleo” e que “a gasolina tem espaço para descer até 4,5 cêntimos”.
 
Se este cenário de descida se confirmar, os combustíveis sofrem assim a primeira descida de 2016, depois de duas subidas já verificados no novo ano.
 
A publicação especializada em economia apurou ainda que as marcas brancas vão acompanhar esta descida, com uma redução de três cêntimos em todos os produtos.
 
O gasóleo vai mesmo bater mínimos de Outubro de 2009. Já a gasolina vai atingir segunda-feira o valor mais baixo desde Dezembro de 2014.
 
Nos mercados internacionais, o preço do petróleo continua em queda, atingindo mínimos de Novembro de 2003. Cada barril de crude ou 'brent' vale menos de 30 dólares.
 
No caso do 'brent', petróleo do Mar do Norte que serve de referência para Portugal, o preço do barril estava a meio da manhã de hoje, sexta-feira, a cair 4,09%, depois de ontem ter ganho 2,35%, recuperando de oito sessões consecutivas de perdas.
 
Já no crude, o preço do barril fixou-se nos 29,53 dólares, uma descida de 5,35%, voltando a cair depois de duas sessões de ganhos, que se seguiram a sete sessões de perdas.
 
c/ Económico
No Ano Santo da Misericórdia, que praticamente agora se iniciou, e no qual se comemoram os 500 anos da sua beatificação, vai ser possível venerar a mão da Rainha Santa Isabel.
 
Só com ordem do Bispo é que a mão da Rainha Santa Isabel, que se encontra praticamente intacta, pode ser mostrada e, para isso, é necessário uma ocasião especial.
 
De 1 a 13 de Julho, visitando o túmulo que está sepultado no Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, em Coimbra, os fiéis, ou simplesmente os curiosos, podem ver a mão da rainha, beijada durante séculos pela família real portuguesa.
 
Quase 300 anos depois da sua morte, dizem os autos oficiais da primeira abertura do túmulo, ocorrida em 1612, que o corpo estava "mui são, inteiro e sem corrupção, de maneira a que a cabeça estava com os cabelos inteiros, louros e sãos, de maneira que pegando por eles estavam fixos. A testa e todo o rosto coberto pela mesma carne, muito alba e bem proporcionada, com nariz, orelhas, olhos e boca, sem corrupção".
 
Aquando desta abertura, provocada pelo processo de canonização, médicos, professores da Universidade de Coimbra e entidades religiosas levantaram a mão para testemunhar o inédito.
 
O túmulo passou então a ser visitado pelos membros da família real em cada deslocação que faziam a Coimbra, para beijar a mão da Rainha.
 
Um túmulo, conta António Rebelo, presidente da Confraria da Rainha Santa Isabel, difícil de abrir porque "sempre que alguém da família real vinha a Coimbra trazia uma das chaves, porque o túmulo tinha três chaves: uma confiada ao bispo de Coimbra, outra à abadessa e outra ao Rei".
 
Em 1852, Dona Maria, Rainha de Portugal, visitou o túmulo e decidiu mandar trocar as mortalhas da Rainha que é Santa. Quando o fizeram "despiram o corpo com receio que os ossos se desconjuntassem, mas nada aconteceu. O corpo estava íntegro, as carnes bem consolidadas, os ossos muito bem colocados", explica António Rebelo.
 
Nos anos 30, já com a República e sem expectativas de se voltar à Monarquia, o corpo que permanecia intacto foi mandado isolar, deixando apenas à vista a mão direita. "Nós apenas removemos uma cortina que deixa ver a mão, porque dizem os antigos que nunca foi exposta sequer às pessoas da família real, seus descendentes, mais do que a mão para a beijarem", acrescenta.
 
Este ano, nas duas primeiras semanas de Julho, a mão da Rainha Santa Isabel, falecida em Estremoz, em 1336, volta a poder ser vista. "Olhando por um óculo de vidro, poderão ver a mão direita, a mão benfazeja da Rainha Santa, que era a mão que praticava as boas acções pelas quais ela ficou conhecida ao longo da história".
 
Uma mão seca pelo tempo, mas ainda com carne ligada às ossadas, que é descoberta, apenas em ocasiões especiais.
 
As últimas descobertas da mão aconteceram em 2012, aquando da celebração dos 400 anos da primeira abertura do túmulo, em 2000, porque foi ano de Jubileu, e em 1996, nos 300 anos da sagração da igreja da Rainha Santa.
 
A Rainha Santa Isabel ficou conhecida como a pacificadora, uma mulher culta dedicada à arte, à arquitectura e à liturgia, mas sobretudo notabilizada pela acção sócio-caritativa, sendo considerada a rainha amiga dos pobres.
 
A Confraria da Rainha Santa Isabel espera que milhares de pessoas passem pelo Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, entre 1 e 13 de Julho, para ver a mão da mulher que nasceu Isabel de Aragão, em Saragoça (Espanha), no ano de 1269, e que morreu em Estremoz, há 679 anos.
 
c/ TSF