quarta, 11 dezembro 2019
sábado, 02 julho 2016 01:04

Acreditar, Sempre - Parte II

Escrito por
Escrevo estas linhas poucos momentos depois do penalti marcado por Quaresma. Festejei bastante. Não concordo que este tipo de desempates se trate de "uma lotaria", pois acho que aqui continua a mandar a competência e a concentração. Portugal foi melhor durante o jogo e foi também melhor nos penaltis. É bom não esquecer que a Polónia não tinha falhado nenhum penalti com a Suiça. Desta vez, Rui Patrício defendeu, e bem, um dos lances e os marcadores "só" tiveram de fazer o seu papel. A forma como marcámos as grandes penalidades, confirma que é preciso competência e não apenas sorte. O jogador polaco que não conseguiu marcar, não o fez porque o Patrício fez uma grande defesa. 
 

Soube-se depois, que quando Fernando Santos perguntou quem queria marcar, Ronaldo disse que marcava o primeiro e Renato disse logo que marcava o segundo.  Será maturidade... ou irreverência? Não sei, mas sei que há muito qualidade.

Quem comigo estava a ver o jogo, pode confirmar o que eu disse quando vi Renato Sanches encaminhar-se para marcar. Não concordei com a escolha pois já tinha visto este filme muitas vezes... Depois o miúdo que o Bayern veio buscar à Luz não tremeu e marcou. Soube-se depois, que quando Fernando Santos perguntou quem queria marcar, Ronaldo disse que marcava o primeiro e Renato disse logo que marcava o segundo.  Será maturidade... ou irreverência? Não sei, mas sei que há muito qualidade. 
 
Portugal ainda não ganhou nenhum jogo nos 90 minutos... mas também ainda não perdeu. Não temos o volume de ataque que esperava, nem lá perto, mas temos muita união. Temos um Ronaldo a fazer um Europeu de muito sacrifício e em prol do colectivo, jogando fora da sua posição habitual. Temos um Pepe a mostrar que é mesmo um dos melhores centrais do mundo. Temos um Quaresma com estatuto de temível arma secreta. Temos um Nani que até cansa de ver correr e ajudar a defender e, claro, temos Renato Sanches que mostra que o futebol afinal é muito mais fácil de jogar e menos complicado do que se pensa. William, João Mário e Adrien, têm feito muito bem o seu papel. De um modo geral, apesar de por vezes não termos jogado bem, os jogadores têm corrido e merecido a confiança. Estão com o treinador e isso, acredito, é mais de meio caminho andado.
 
Fernando Santos disse que queria ser campeão. É legítimo, como escrevi no texto anterior. Portugal vai estar pela quinta vez na meia-final de um Europeu e até já esteve na final. Fazer melhor, só ganhando. Por cá, só temos de acreditar, sempre!
Modificado em sábado, 02 julho 2016 01:08

Deixe um comentário