quarta, 11 dezembro 2019
sexta, 03 junho 2016 01:50

Acreditar, Sempre!

Escrito por
Nós, portugueses, parece que por vezes temos dificuldade em valorizar-nos. Há, de um modo geral, um sentimento generalizado de que os outros são sempre melhores e fazem tudo melhor que nós. Temos dificuldade em elogiar o que temos, ou o que somos, e a qualquer momento um português solta a célebre frase: "Se fosse lá fora era diferente".

Trago este assunto depois de ouvir Fernando Santos dizer que queria ser Campeão da Europa. "Queremos chegar à final e queremos ganhá-la!" É simples não é? Portugal será, teoricamente, candidato a ganhar o Europeu? Eu acho que não, mas não ficava muito surpreendido se tal acontecesse. É arriscada esta declaração de Fernando Santos? Talvez até seja. É descabida? Claro que não. Não é descabida porque Portugal tem seleção para se bater com qualquer uma. Não estou a dizer que temos uma seleção melhor que esta ou que aquela, penso sim que temos plantel e treinador para nos batermos com qualquer outra e lutar pela vitória em todos os jogos. 
 
Fernando Santos é um treinador experiente e sabe o que são fases finais de grandes competições. Sabe que os estatutos não ganham jogos nem torneios. Ter "estrelas", e Portugal até tem uma das mais brilhantes, não significa que se ganhem jogos. Estas fases finais são pródigas em surpresas e outsiders que depois se tornam casos muito sérios. Quem são os favoritos? Os mesmos de sempre. Portugal, e bem, já disse que quer vencer a competição. 
 

Foi, curiosamente, um estrangeiro que nos motivou a "pintarmos" as nossas janelas com bandeiras da seleção. Lembram-se? Pois. Foi Scolari, que até é brasileiro, que fez com que os portugueses olhassem finalmente para a sua seleção com olhos de quem tem orgulho e acredita.

O Euro 2004, há 12 anos atrás, foi um bom exemplo da nossa capacidade. Aqui, digo eu, capacidade até demais pois fizeram-se estádios que hoje não servem para nada. No entanto, olhando para a parte positiva, passámos com distinção neste teste e demos uma lição a quem não quis fazer connosco uma candidatura conjunta. Demos inúmeros exemplos de fair-play, recebendo de braços abertos todos os que nos visitaram. No campo, também empurrados pelo público, chegámos à final e podíamos mesmo ter ganho. Foi por muito pouco e isso só prova que o Selecionador tem razão. Já lá estivemos e só faltou mesmo ganhar. 
 
Ainda olhando para esse tempo, é bom lembrar quem nos fez gostar mais de nós. Foi, curiosamente, um estrangeiro que nos motivou a "pintarmos" as nossas janelas com bandeiras da seleção. Lembram-se? Pois. Foi Scolari, que até é brasileiro, que fez com que os portugueses olhassem finalmente para a sua seleção com olhos de quem tem orgulho e acredita. Até aí, eram todos bons menos os nossos. Ainda hoje, infelizmente, há quem assim pense. Eu próprio, por vezes dou por mim a "resmungar" com a falta de qualidade do futebol que vejo praticar a nossa seleção. No entanto, chegando estas fases finais, faço por acreditar e perceber que não são só os outros que são bons. Nós também somos.
 
Já não é altura de discutir opções ou a falta deste ou daquele. Agora, começando o Europeu, é altura de fazer com que os 11 que estão no campo sintam o apoio dos 11 milhões. Aqui, podemos também tirar uma lição para a vida. Acreditar sempre. As grandes batalhas, são sempre para os melhores soldados. Que a bola comece a rolar...e que Portugal seja Campeão. 
 
* Jornalista José Lameiras
Modificado em sexta, 03 junho 2016 01:57

Deixe um comentário