sábado, 14 dezembro 2019
quinta, 14 janeiro 2016 23:56

Para ti, "Rei das Tabelas"

Escrito por
Uma vez disseste-me: "Isto é duro mas eu vou conseguir". Acreditei. Acreditei mesmo. E não acreditei só porque sim. Acreditei porque conhecia a tua força. Conhecia a tua forma de encarar a vida e as contrariedades. Sabia que ias lutar contra a doença com a mesma força que levantavas pesos no ginásio que montaste na parte de cima da tua casa. Conhecia-te como um lutador. Eu e os nossos colegas do hóquei brincávamos contigo quando dizíamos que eras o "Rei das Tabelas". O que é certo, é que era aí que tu mostravas a tua força e os adversários ficavam colados ao chão. A bola era sempre tua, apesar de às vezes os árbitros acharem que era falta. Gostavas de te colocar à prova. Gostavas de ver quem era o mais "cavalão".

Já passou um ano. Um ano sem ouvir as tuas "parvoeiras". Sim, tu fazias questão de chegar e dizer qualquer coisa. Nem que fosse: "Epá, tens uma blusa do caparro, mas só te falta o caparro". Fazias questão de dizer sempre algo para melhorar o ambiente. Quando nos juntávamos, e ultimamente já eram poucas vezes, surgiam logo as histórias de outro tempo acompanhadas de gargalhadas. Basicamente, tínhamos outra vez 10 ou 15 anos. A mim, particularmente, volta e meia dizias-me:"estás mais magro...aí uns 200 gramas". 
 
Fizeste bem a muita gente. Não era preciso ver o Facebook no dia em que foste embora para perceber isso. Foste um exemplo pela luta que travaste contra um adversário que tinha outro tipo de argumentos. Argumentos esses, que muitas vezes, e com muito sofrimento, conseguiste contornar. Lembro-me de te visitar no IPO, através de uma janela de vidro e de aí falar contigo ao telefone. Saí de lá, desejando nunca mais lá voltar e muito triste por ver um amigo assim. Foi já há algum tempo, é certo, mas nunca mais esqueci esse dia. 
 

Um abraço, "Rei das Tabelas", daqui até ao céu.

Há um ano atrás veio a notícia inesperada. Não queria acreditar, pois tinha estado contigo há relativamente pouco tempo e tal desfecho não me parecia possível. Mas aconteceu. O "Rei das Tabelas" tinha perdido a guerra contra um adversário terrível. Ganhaste muitas batalhas mas perdeste a guerra. Caíste, é certo, mas de pé. Tal e qual como nos tempos em que jogávamos hóquei. Nós até podíamos perder, e perdemos muitas vezes, mas eles tinham de ser muito mais fortes do que nós, porque nós lutávamos muito. Foi assim que tu lutaste, até ao fim.
 
Um ano depois, não mereces ser esquecido. Nunca o vais ser. Fosse no trabalho, no hóquei, ou noutro sítio qualquer, nunca foste apenas mais um. Eras tu. 
 
Um abraço, "Rei das Tabelas", daqui até ao céu.
 
* Jornalista José Lameiras
Modificado em sexta, 15 janeiro 2016 09:05

Deixe um comentário