quarta, 20 março 2019

Um Exemplo chamado Bruno Lage

Escrito por  Publicado em José Lameiras quinta, 28 fevereiro 2019 09:10
Há situações que nos fazem acreditar que a competência, o saber, a experiência e a coragem, ainda valem a pena. Num país onde cada vez mais são os primos, os amigos, os filhos, os maridos e as mulheres deste ou daquele que têm as oportunidades, Bruno Lage é uma "lufada de ar fresco" e o exemplo que faz hoje em dia muitas pessoas acreditarem que o trabalho e a entrega valem sempre a pena.
 
Não sei o que lhe irá acontecer. Não sei quanto tempo durará este estado de graça que vive agora o treinador do Benfica. Sábado, Lage tem um teste muito duro às suas capacidades e às capacidades da sua equipa. Qualquer que seja o resultado, não acredito que a empatia que vive com os adeptos e a direção mude, pois ele já mostrou trabalho e muito conhecimento. 
 

Bruno Lage é também o exemplo de alguém a quem a vida deu uma oportunidade e que tudo fez para a agarrar. Começando por ser a prazo, Lage sabia que tinha pouco tempo para mostrar o que valia para que a direção acreditasse que afinal tinha a solução mais perto do que pensaria. Mexeu logo no sistema de jogo e arriscou, sabendo que teria pouco a perder e muito a ganhar. Confiou nas suas capacidades, mostrou conhecimento alargado sobre o plantel que tem à sua disposição e ganhou.

 
Para já, fez com que nas conferências de imprensa, antes e depois de cada jogo do Benfica, se fale de futebol. Chuta, com muita cordialidade, as polémicas para canto e diz muitas vezes que é nos treinos que se preparam os jogos. Parece isto estranho, não é? Parece estranho quando estamos habituados a ouvir simplesmente que "cá estamos para trabalhar muito e para conseguirmos os nossos objetivos" ou também um apenas "queremos a vitória e tudo faremos para a conquistar". Isso é o normal. Ouvirmos estas respostas por parte de um treiandor antes de um jogo, é o normal. Lage, a tudo isto, acrescentou "vamos estudar o adversário, perceber como joga" ou também "vamos ter de pressionar alto, para conquistar a bola ainda no meio-campo ofensivo", ou ainda "somos fiéis à nossa maneira de jogar, mas se tivemos de mudar durante um jogo devido ao jogo do adversário, para outro sistema, mudaremos sem problemas e tenho na equipa jogadores para isso". Depois dos jogos, Lage mostra sempre um enorme respeito pelo adversário e analisa o jogo sem qualquer tipo de fuga para o politicamente correto : "Os jogadores corresponderam. Trabalhamos desde o primeiro dia um determinado posicionamento e vamos testando no treino. O Samaris já tinha jogado a central, as coisas foram ajustadas e correram bem nesse capítulo. Tivemos sempre uma transição forte dos homens da frente mas estivemos sempre equilibrados, com o Florentino, o Samaris e o Gabriel." Isto é falar de futebol. 
 
Bruno Lage é também o exemplo de alguém a quem a vida deu uma oportunidade e que tudo fez para a agarrar. Começando por ser a prazo, Lage sabia que tinha pouco tempo para mostrar o que valia para que a direção acreditasse que afinal tinha a solução mais perto do que pensaria. Mexeu logo no sistema de jogo e arriscou, sabendo que teria pouco a perder e muito a ganhar. Confiou nas suas capacidades, mostrou conhecimento alargado sobre o plantel que tem à sua disposição e ganhou. Bruno Lage pegou na equipa do Benfica em 4º lugar e a sete pontos da liderança, com uma visita a Guimarães para a Taça de Portugal e depois de um percurso muito cinzento na Europa. Quase dois meses depois, e no dia em que escrevo estas linhas, o Benfica está a um ponto do primeiro lugar, está nas meias-finais da Taça de Portugal com uma pequena vantagem sobre o Sporting, onde está tudo em aberto, e está nos oitavos da Liga Europa, depois de ter passado com distinção um perigoso Galatasaray, colocando mesmo a jogar na Turquia seis jovens "fabricados" no Seixal. Só não é uma caminhada perfeita, porque perdeu a meia-final da Taça da Liga, perante o Porto, num jogo em que a vitória poderia perfeitamente ter caído para qualquer um dos lados. 

Assim, é precisamente o Porto que Lage vai voltar a encontrar no próximo sábado. É um verdadeiro teste para Bruno Lage, mas é também um teste para os jogadores do Benfica. É também um teste para os adeptos, em caso de derrota. Se foi apenas com o Porto que Lage perdeu, terá isso bem presente na preparação do jogo e da sua equipa. Será um Benfica muito motivado aquele que aparecerá no Dragão, onde estará um Porto avisado para este "novo" Benfica. Este será um jogo que valerá mais do que três pontos e determinante para as contas do título. Um título, que parecia estar entregue em janeiro deste ano, mas que Bruno Lage e a sua equipa agora percebem que podem ainda alcançar. Além de avisados, os portistas estarão também muito motivados e, à imagem do seu treinador, deixarão tudo em campo e quererão ficar com os três pontos. Um empate deixará o Porto ainda em primeiro, mas à mercê de um futuro deslize que poderá ser fatal. 
 
Aconteça o que acontecer nos onze jogos que faltam para o final do campeonato, é já notável o trabalho que Bruno Lage fez à frente desta equipa do Benfica. Antes deste treinador chegar, o Benfica era uma equipa triste, sem soluções e dependente de inspirações momentâneas dos seus craques. Hoje, o Benfica, é uma equipa que pressiona alto, que ocupa bem os espaços no campo, que na frente faz os seus jogadores alterarem as posições para confundir as marcações, que aproveita as fragilidades dos adversários e que transforma dificuldades em oportunidades. Aconteça o que acontecer, para Lage, para o Benfica e para os benfiquistas, já valeu bem a pena.
 
* Jornalista José Lameiras
 
 

Deixe um comentário