quarta, 05 agosto 2020
sexta, 10 junho 2016 00:54

Escolas de Estremoz ganham prémios em Castelo Branco

Escrito por
Concurso "Os nossos avós eram cientistas" teve a sua primeira edição Concurso "Os nossos avós eram cientistas" teve a sua primeira edição José Furtado / Jornal Reconquista
A Escola Básica da Glória e a Escola Básica da Mata foram as escolas vencedoras da primeira edição do concurso “Os nossos avós eram cientistas", uma iniciativa nacional promovida a partir de Castelo Branco pelo Centro Ciência, Cultura e Tradição, que conta com várias parcerias como o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) ou o Centro Ciência Viva de Castelo Branco. A Escola Básica do Caldeiro também saiu da capital de distrito da Beira Baixa com motivos para sorrir, com a obtenção de um segundo lugar e de um terceiro lugar.
 
A cerimónia de entrega de prémios do “Os nossos avós eram cientistas”, concurso que contou com a participação de escolas do 1º ciclo da Beira Baixa e do Alentejo, decorreu na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, entidade que acolhe este projecto que pretende despertar a curiosidade dos mais novos para a ciência através da análise do que faziam os seus antepassados quando não tinham tecnologia. As crianças investigaram porque é que se metia a roupa a corar, como era trabalhado o ferro ou como é que a cortiça conservava os alimentos quando não havia termos de plástico.
 
Margarida Afonso, uma das dinamizadoras do projecto, contou que a ideia de organizar o concurso surgiu de um trabalho de investigação das tradições que tem vários anos. Para não se perder essa recolha  "temos estado a divulgar junto das crianças" e o concurso "é uma forma de divulgar e envolver as crianças para elas próprias começarem a investigar a valorizar a nossa cultura".
 
Depois desta primeira edição está prometido o regresso para o próximo ano lectivo, mais cedo e com maior divulgação e envolvimento das escolas. A organização promete ainda que as escolas "terão a possibilidade de escolherem o tema".
 
Carlos Maia, presidente do IPCB, considera "muito interessante ver estes jovens de quatro, cinco ou seis anos terem o contacto com este projecto" e promete que a instituição vai continuar a apoiá-lo. "Quanto mais cedo conseguirmos despertar o interesse e a curiosidade científica penso que a probabilidade de sucesso no futuro será maior".
 
O Centro Ciência, Cultura e Tradição tem várias valências, desde a investigação, recuperação e interpretação das tradições, tentando compreendê-las de forma científica e até artística. Mas forma também professores e educadores de infância, bem como pessoal não docente; tem parcerias com diversas entidades; e desenvolve actividades para crianças, jovens e adultos, incluindo os que têm Necessidades Educativas Especiais.
 
OS PRÉMIOS 
Os vencedores foram divididos nas categorias de Escola e Turma. 
 
A escola vencedora foi a Escola Básica da Glória, do Agrupamento de Escolas de Estremoz, onde as turmas A e B foram investigar como é que as avós lavavam a roupa. Também em primeiro ficou a Escola do Castelo, na Sertã, com o projecto sobre resina e resinagem. O segundo lugar foi para o projecto roupa a corar, do Jardim Escola João de Deus, de Castelo Branco, e o terceiro lugar foi para a Escola de Santa Maria, de Beja, com as ervas aromáticas do Alentejo.
 
Na categoria turma o primeiro prémio foi para a Escola Básica da Mata, de Estremoz, com o vulcanismo. O segundo lugar ficou em Idanha-a-Nova, com o projecto sobre as ferraduras de cavalos que foi desenvolvido no Agrupamento José Silvestre Ribeiro. Também em segundo ficou o projecto ferro em brasas, da Escola Básica do Caldeiro, em Estremoz. A mesma escola ficou em terceiro, com a panela de ferro. Houve ainda um terceiro prémio para a cortiça na vida de uma marmita, da Escola João Pedro Andrade, de Ponte de Sôr.
 
c/ Jornal Reconquista
Modificado em sexta, 10 junho 2016 01:20

Deixe um comentário