terça, 18 janeiro 2022
sábado, 25 dezembro 2021 22:45

Estremoz - Autoridades suspeitam de fogo posto em incêndio habitacional

Escrito por
Carlos Machado adiantou ainda que a investigação da origem deste incêndio passará para a alçada da Polícia Judiciária Militar Carlos Machado adiantou ainda que a investigação da origem deste incêndio passará para a alçada da Polícia Judiciária Militar Ivo Moreira

Um incêndio habitacional, ocorrido no terceiro andar de um prédio localizado no Bairro de Mendeiros, junto ao edifício-sede da União de Freguesias de Estremoz (Santa Maria e Santo André), provocou a destruição total da fracção atingida pelo fogo.
 
O alerta para este sinistro, que levou à evacuação de outros moradores do prédio, foi dado às 19:38 horas.
 
Moradores nas imediações revelaram que ocorreu uma explosão, na zona da cozinha, tendo os estilhaços provocado danos em três viaturas que se encontravam junto a este prédio, propriedade do Regimento de Cavalaria nº3.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar junto do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora, no local estiveram 20 operacionais, dos Bombeiros Voluntários de Estremoz e da Polícia de Segurança Pública (PSP), auxiliados por 11 viaturas. No teatro de operações esteve também José Daniel Sádio, Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, e Pedro Ramalho, Presidente da União de Freguesias de Estremoz (Santa Maria e Santo André).
 
Em declarações à CMTV, Carlos Machado, Comandante dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, revelou que há suspeitas de fogo posto “não só pelo facto de não estar ninguém na habitação no momento, de ter tudo desligado e de ser uma habitação que não tem gás na cozinha, havendo uma distribuição de algumas coisas pela cozinha e havia algum odor a produtos que possam ser combustíveis”.
 
Carlos Machado, que referiu que o prédio não sofreu danos estruturais, adiantou ainda que a investigação da origem deste incêndio passará para a alçada da Polícia Judiciária Militar.
 
Ao que conseguimos ainda apurar, a militar que habitava na fracção atingida pelo incêndio, e que presta serviço no RC3, assim como a família de seis pessoas que morava no andar imediatamente abaixo e que viu a sua habitação ficar sem condições de habitabilidade, devido a infiltrações de água usada na extinção do incêndio, foram realojadas noutras instalações propriedade do regimento estremocense.
 
De recordar que no passado dia 3 de Dezembro, pelas 04:30 da manhã, nas imediações deste mesmo prédio e sem que nada o previsse, uma viatura foi consumida pelas chamas. As autoridades estarão a relacionar estes dois casos.
Modificado em domingo, 26 dezembro 2021 12:53

Deixe um comentário