quarta, 25 abril 2018

Já arrancou a Feira Saldos de Stocks Inverno 2015

Escrito por sexta, 30 janeiro 2015 18:04
Já está a decorrer no Pavilhão A do Parque de Feiras e Exposições Eng. André de Brito Tavares, em Estremoz, mais uma edição da feira “Saldos de Stocks”, na sua versão de Inverno.
 
A feira “Saldos de Stocks” é uma oportunidade única para a aquisição de produtos a preços reduzidos, num certame que integra um leque diversificado de comerciantes locais. 
 
Esta organização do Município de Estremoz e do comércio local participante, que se prolonga até ao próximo Domingo, dia 1 de Fevereiro, tem como objetivo principal o de estimular o desenvolvimento económico do concelho, mas também fazer escoar stocks existentes nas lojas do concelho.
 
Ardina do Alentejo apresenta-lhe de seguida o programa completo do evento.
 
30 DE JANEIRO | SEXTA-FEIRA 
- 21 horas - Concerto pela Banda da Sociedade Filarmónica Luzitana de Estremoz.
 
31 DE JANEIRO | SÁBADO 
- 10 horas - Abertura da feira;
- 16 horas - Desfile de moda “Saldos de Stocks de Inverno 2015”;
- 21 horas - Actuação do Grupo de Cantares "Voz Amiga" da Terrugem.
 
1 DE FEVEREIRO | DOMINGO 
- 11 horas - Abertura da feira;
- 16 horas - Actuação do Grupo de Dança "AzDance" de Azaruja; 
- 16.30 horas - Actuação do Grupo de Ginástica e Zumba “Maisaude” de Azaruja;
- 17 horas - Concerto pela Banda “União” da Sociedade Filarmónica Artística Estremocense.

Está fechado o cartaz da FIAPE 2015

Escrito por quinta, 29 janeiro 2015 19:04

Com o anúncio efectuado hoje pela Câmara Municipal de Estremoz, dos artistas que vão animar musicalmente as noites de 29 de Abril e 1 de Maio, na 29ª FIAPE – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, ficou a conhecer-se o cartaz completo daquele que é considerado por muitos como o maior certame agropecuário que se realiza a Sul do Tejo.
 
No dia inaugural, quarta-feira, 29 de Abril, o palco vai estar entregue à banda da região “Los Romeros”, que serão acompanhados pelos seus convidados Nelson e Gonçalo, ambos finalistas do programa de televisão “Rising Star”, emitido pela TVI, e que deu a conhecer a Portugal, a viola de Alberto Pereira, o cajon de Jorge Piedade e a voz magnifica de Paula Carapeta, os “Los Romeros”.
 
Quinta-feira, 30 de Abril, Marisa Liz e os seus companheiros regressam a Estremoz, para mais um grande espectáculo. Os “Amor Electro” prometem trazer à cidade branca do Alentejo, os temas mais conhecidos do primeiro álbum de originais, “Cai o Carmo e a Trindade”, bem como os temas do novo álbum “Revolução”, sem esquecer a música que faz parte do genérico da novela da SIC, “Mar Salgado”.
 
Sexta-feira, 1 de Maio, feriado nacional, vai ser de arromba. Um dos maiores fenómenos da música falada em português vai estar em Estremoz. O angolano Anselmo Ralph, responsável por megassucessos como “Não me toca”, “Curtição” ou “Única Mulher”, vai apresentar no palco da FIAPE todas as músicas que têm feito dele um caso sério na música.
 
Sábado, 2 de Maio, aquela que foi considerada em 2014 a banda revelação da música portuguesa sobe ao palco da FIAPE. Os “D.A.M.A.”, sigla para a expressão “Deixa-me Aclarar-te a Mente, Amigo”, trazem até Estremoz as músicas do primeiro álbum, “Uma Questão de Princípio”. Francisco Pereira, Miguel Coimbra e Miguel Cristovinho prometem um espectáculo com muito ritmo e em constante interacção com o público.
 
O dia final da FIAPE 2015 será composto por uma ”Tarde Alentejana”, em que o cante, o folclore e a música tradicional vão marcar presença. 
 
A 29ª edição da FIAPE – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, que alberga mais uma edição da Feira de Artesanato, uma das mais conceituadas do país, realiza-se no Parque de Feiras e Exposições da cidade alentejana, entre os dias 29 de Abril e 3 de Maio.
 

Anselmo Ralph é cabeça de cartaz da FIAPE 2015

Escrito por quinta, 29 janeiro 2015 18:06
A Câmara Municipal de Estremoz anunciou há poucos instantes que o angolano Anselmo Ralph será o cabeça de cartaz da edição de 2015 da FIAPE – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz.
 
O homem que deu a conhecer sucessos como “Não Me Toca” ou “Única Mulher”, marcará presença no Parque de Feiras e Exposições da cidade estremocense no dia 1 de Maio, sexta-feira, naquele que será certamente um dia de arromba num dos mais mais importantes certames agropecuários do país.
 
A FIAPE realiza-se entre os dias 29 de Abril e 3 de Maio.
 
 
 
Já se encontra a decorrer o abate e a remoção de azinheiras e sobreiros, numa área total de 8,3 hectares, existentes nos terrenos da futura Zona Industrial dos Arcos, e que correspondem a parte da área que vai ser ocupada pelos lotes industriais e pelas acessibilidades. O abate e a remoção das referidas árvores está a ser efectuado pela Woodbrinca, empresa que adquiriu, em hasta pública realizada em finais de 2014, o lote de azinheiras e sobreiros.
 
Mas se estas árvores são abatidas, outras terão de ser plantadas. O processo de abate das quercíneas foi devidamente autorizado pelo ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, estando sujeito a uma série de medidas compensatórias, nomeadamente à reposição de 6,2 hectares de novas árvores, na zona envolvente à futura Zona Industrial, bem como à beneficiação de 17 hectares que se localizam dentro da área de intervenção do plano, através do desbaste de exemplares jovens e da realização de podas de formação nas azinheiras e sobreiros existentes.
 
Segundo o Município de Estremoz, “após todas as condicionantes negativas que foram colocadas no passado", o abate e a remoção destas árvores "constitui o primeiro passo, no terreno, que permitirá o início da construção da Zona Industrial de Arcos, a qual garantirá mais desenvolvimento, maior captação de investimento, mais emprego e uma maior fixação de população no concelho, contrariando a tendência demográfica negativa dos últimos anos”.
 
c/ Câmara Municipal de Estremoz

D.A.M.A. - Mais um nome confirmado na FIAPE 2015

Escrito por terça, 27 janeiro 2015 18:14
E aí está mais um nome que vai compor o cartaz da FIAPE 2015.
 
A Câmara Municipal de Estremoz informou há poucos minutos que os portugueses D.A.M.A. vão marcar presença na edição número 29 da Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, onde vão apresentar o seu álbum de estreia “Uma Questão de Princípio”.
 
A banda revelação da música portuguesa, composta por Francisco Pereira, Miguel Coimbra, e Miguel Cristovinho, sobe ao palco FIAPE no dia 2 de Maio, Sábado.
 
O cartaz de espectáculos da FIAPE 2015, que se vai realizar no Parque de Feiras e Exposições da cidade alentejana, entre os dias 29 de Abril e 3 de Maio, já tem confirmados os nomes de Amor Electro, dia 30 de Abril, e D.A.M.A., dia 2 de Maio. 
 
 
Na sequência de um despiste no final da Ponte Vasco da Gama, antes da saída para o Montijo, um jovem estremocense perdeu a vida. O acidente, que ocorreu cerca das 17.15 horas, provocou ainda ferimentos graves numa jovem de 20 anos, que foi transportada para o Hospital do Barreiro, não sabendo nesta altura pormenores sobre o seu estado de saúde.
 
Pedro Gonçalves, de 23 anos, era ao que tudo indica o condutor da viatura sinistrada.
 
No local do sinistro esteve um helicóptero do INEM, que levou ao corte total da estrada, mas que acabou por não ser o meio de transporte do ferido grave.
 
Para além de vários militares da Guarda Nacional Republicana (GNR), estiveram no local do acidente uma VMER e várias ambulâncias.
A fila de trânsito na Ponte Vasco da Gama chegou aos cinco quilómetros de extensão.
 
Ao Correio da Manhã, Jorge Santos, militar da GNR, disse que as causas do despiste ainda não são conhecidas mas serão "apuradas no âmbito de uma investigação". 
 
No local estão militares no Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes da GNR.
 
c/ Correio da Manhã
A cientista estremocense Rita Guerreiro é investigadora da University College London e recebeu recentemente, em Paris, o “Prix Européen Jeune Chercheur”, o Prémio Europeu do Jovem Investigador, numa votação levada a cabo por um comité científico europeu.
 
Desde a atribuição do prémio, foram várias as entrevistas dadas pela Rita, quer à imprensa nacional, mas também à imprensa regional e local.
Destacamos esta por ser a última. Numa entrevista assinada por Martha Mendes, e publicada hoje no “Porta351”, uma revista digital de informação geral, que pretende ser “uma porta para comunicar com os portugueses espalhados pelo mundo”, Rita fala do prémio, do trabalho desenvolvido até aqui, de Portugal, da emigração, e como não podia deixar de ser, do “seu” Alentejo.
 
Rita Guerreiro é a cientista portuguesa que recebeu recentemente o “Prix Européen Jeune Chercheur” (Prémio Europeu do Jovem Investigador), cuja votação foi feita por um comité científico europeu. Investigadora da University College London, em Londres, Rita saiu de Portugal há oito anos e, para já, não pensa regressar, apesar das saudades “da comida, do bom tempo e, principalmente, da serenidade do Alentejo”. A trabalhar na área das mutações do gene TREM2 – indicado como possível fator de risco da Doença de Alzheimer e de outras doenças degenerativas como a Demência Frontotemporal – Rita vai usar o dinheiro do prémio “para expandir os projetos e estudar mais famílias com formas raras de demências”. Um dos objetivos futuros é “identificar as causas genéticas de doenças neurológicas em famílias Portuguesas”. Em conversa com a Porta351 Rita Guerreiro falou do seu trabalho, das políticas de apoio à investigação científica, do trabalho de equipa, do presente e do futuro. Em cinco respostas.
 
1. Recebeu, recentemente, o “Prix Européen Jeune Chercheur” (Prémio Europeu do Jovem Investigador), cuja votação é feita por um comité científico europeu. Sente-se recompensada pelo seu trabalho?
R.G.: Não sinto que seja tanto uma recompensa, mas mais um reconhecimento do trabalho que temos vindo a desenvolver. É um prémio individual, mas resulta de um trabalho de equipa, não só do grupo com o qual trabalho diretamente na University College London (UCL), como também dos colaboradores que temos a nível nacional e internacional.
 
2. Pode explicar-nos, resumidamente, o trabalho que tem desenvolvido sobre as mutações do gene TREM2, indicado como possível fator de risco da Doença de Alzheimer e de outras doenças degenerativas?
R.G.: Inicialmente identificámos mutações no gene TREM2 ao estudar famílias de origem turca com formas recessivas de demências. Em três famílias identificámos alterações neste gene que causavam demência frontotemporal. Quando testámos o mesmo gene noutras formas de demência, verificámos que ao compararmos doentes com doença de Alzheimer com controlos saudáveis, o grupo de doentes apresentava um maior número de alterações neste gene. Uma variante em particular (R47H) era significativamente mais frequente nos doentes do que nos controlos. Concluímos, assim, que mutações no gene TREM2 causam formas raras de demência frontotemporal e que uma variante no mesmo gene aumenta o risco para o desenvolvimento da doença de Alzheimer.
 
3. Faz parte do Departamento de Neurociência Molecular do Instituto de Neurologia da University College London. Porque é que decidiu emigrar para desenvolver o seu trabalho? Portugal não dá as condições necessárias aos seus investigadores?
R.G.: Vim para Londres após terminar o doutoramento nos EUA, porque tive a oportunidade de vir trabalhar diretamente com um dos maiores nomes internacionais em neurogenética. Esta é uma área muito específica e não existem muitas oportunidades destas. Neste momento é difícil ter financiamento para investigação em qualquer parte do mundo, mas é particularmente difícil em Portugal. O investimento que foi feito há uns anos não teve continuidade e grande parte do dinheiro investido não teve retorno para o país, porque não foram criadas estruturas capazes de atrair muitos dos investigadores que saíram para concluírem ou melhorarem as suas formações.
 
4. Saiu de Portugal em 2006. Como é que descreveria estes anos de emigração? Pensa regressar? Sente falta de Portugal?
R.G.: Saí de Portugal para os Estado Unidos (Washington DC) e, posteriormente, vim para Londres. É sempre muito difícil deixarmos a família e os amigos. Tive a sorte de partilhar este caminho a nível pessoal e profissional com o meu marido [José Miguel Brás divide com Rita Guerreiro a chefia do Departamento de Neurociência Molecular do Instituto de Neurologia da University College London]. Os primeiros anos foram mais complicados, mas neste momento temos financiamento para mantermos o nosso laboratório e podemos seguir as linhas de investigação que consideramos mais importantes, o que seria muito difícil de conseguir em Portugal. Por esta razão não pensamos em regressar num futuro imediato, apesar de sentir muita falta da comida, do bom tempo e, principalmente, da serenidade do Alentejo.
 
5. O Prémio Europeu do Jovem Investigador tem o valor financeiro de dez mil euros. Já sabe como é que vai aplicar este dinheiro?
R.G.: Vou usar este dinheiro para expandir os projetos que temos a decorrer no laboratório, de forma a conseguirmos estudar mais famílias com formas raras de demências. Temos, neste momento, várias colaborações com grupos em Portugal e espero que este dinheiro nos ajude a identificar as causas genéticas de doenças neurológicas em famílias Portuguesas.
 
c/ Martha Mendes (Porta351)

Amor Electro na FIAPE 2015

Escrito por sexta, 23 janeiro 2015 23:36
E o véu começa-se a levantar sobre os artistas que vão animar musicalmente a FIAPE 2015.
 
Os Amor Electro são o primeiro nome que compõe a programação cultural da FIAPE 2015 avançado pela autarquia de Estremoz.
 
A banda de Marisa Liz sobe ao palco da Feira Internacional Agropecuária de Estremoz no dia 30 de Abril, quinta-feira, véspera de feriado.
No dia de ontem, quarta-feira, 21 de Janeiro, quatro forças políticas com secção em Estremoz, emitiram um comunicado conjunto em que censuram a atitude do Presidente da Câmara Municipal local, Luís Mourinha, que na reunião de câmara do passado dia 7 de Janeiro, terá proibido colaboradores de um jornal local de captarem som e imagens da respectiva reunião.
 
Em comunicado conjunto, PS, PSD, CDS e BE, afirmam que Luís Mourinha “violou o direito” consagrado na Constituição da República de “acesso à informação” ao ter impedido “que os colaboradores de um jornal local fizessem o seu trabalho”. Pode ainda ler-se que esta atitude “arrastou o Executivo para uma situação onde claramente não nos revemos”.
 
As estruturas políticas locais desvinculam-se “totalmente das tomadas de posição que o mesmo entendeu tomar” e afirmam ainda que “a postura do Senhor Presidente da Câmara só o deve responsabilizar a ele próprio”. Chegam mesmo a referir que “esta atitude, representa uma forma de entender e viver a democracia que não se enquadra no pós 25 de abril, muito menos num Estado de Direito Democrático e na qual não nos revemos”.
 
Já durante a tarde de hoje, quinta-feira, 22 de Janeiro, a autarquia liderada por Luís Mourinha reagiu, também emitindo um comunicado em que refere que na reunião de câmara do dia 7 de Janeiro, “dois jornalistas do “Jornal E” efetuaram a montagem de um tripé com uma câmara de vídeo no Salão Nobre, preparando-se para proceder à gravação de som e de imagens vídeo da referida reunião, sem que para tal tivessem solicitado qualquer tipo de autorização ao Presidente da Câmara”.
 
O comunicado salienta que “usando da competência que a Lei lhe confere, pois é a ele que compete dirigir os trabalhos e manter a ordem nas sessões, o Presidente da Câmara informou os jornalistas que não poderiam efetuar gravação de som e imagem vídeo, pois para tal não tinham sido autorizados. Informou ainda que poderiam assistir aos trabalhos, tirar notas e recolher fotografias do andamento dos trabalhos, tendo em conta o facto de a sessão ser pública”.
 
A autarquia afirma que “não se compreende a posição conjunta destas quatro forças políticas” naquilo que a edilidade considera “uma não questão”. O comunicado escrito pela autarquia desmente as forças políticas em relação ao alegado impedimento dos jornalistas em realizarem o seu trabalho e à violação do direito ao acesso à informação. “Tal não corresponde à verdade, pois como já foi referido e consta da ata da sessão, o Presidente da Câmara apenas não autorizou a gravação de som e imagens vídeo, tendo possibilitado outras formas de acesso à informação” pode ler-se.
 
O comunicado culmina com críticas às forças políticas: “Não estando o PSD, o CDS e o BE presentes no local dos acontecimentos, como lhes é possível tomar posição sobre este assunto, na medida em que não têm conhecimento efetivo dos factos? (…) É, por isso, lamentável que os partidos políticos assumam este tipo de posições, em defesa de direitos que renegam quando são poder, sendo certo que agora só o fazem para tentar denegrir a imagem do Presidente da Câmara e do Município de Estremoz”.

Mais Populares