sábado, 11 julho 2020
Os Bonecos de Estremoz acabam de se qualificar para as semi-finais do programa 7 Maravilhas da Cultura Popular.
 
Em Mourão, local onde decorreu a final do distrito de Évora das 7 Maravilhas da Cultura Popular, os bonecos estremocenses ganharam o acesso a uma das duas semi-finais da competição, em detrimento da Feira d’Aires (Viana do Alentejo), das Mantas de Reguengos de Monsaraz, da Procissão em Honra de Nossa Senhora das Candeias (Mourão), da Romaria a Cavalo (Viana do Alentejo), das Ruas Floridas (Redondo) e dos Tapetes de Arraiolos.
 
No final do programa transmitido pelo canal 1 da RTP, Francisco Ramos, Presidente da Câmara Municipal de Estremoz referiu que “os Bonecos de Estremoz são merecedores desta distinção. Representam uma cultura secular, com mais de 300 anos, com alguns altos e baixos ao longo destes três séculos, mas hoje bem vivos nas nossas memórias e simultaneamente naquela que é a cultura tradicional portuguesa, designadamente no nosso Alentejo e do concelho de Estremoz”.
 
De recordar que os Bonecos de Estremoz têm como padrinho de candidatura Miguel Tira-Picos, e como embaixador João Pataco, elementos da dupla vencedora do concurso de caça-talentos da RTP, Got Talent Portugal.
 
Para além do Padrinho e do Embaixador da candidatura, marcaram presença em Mourão, durante o programa transmitido nesta sexta-feira pelo canal 1 da RTP, a aniversariante Márcia Oliveira, Vereadora da Cultura da autarquia estremocense, e os barristas Jorge da Conceição e Isabel Pires. 
 
Na peça gravada em Estremoz, apresentada por Francisco Garcia, e emitida durante o programa de hoje, marcaram presença as Irmãs Flores, Maria Inácia Fonseca e Maria Perpétua.
 
Na última semana de Agosto, terão lugar as duas semi-finais, igualmente transmitidas pelo canal 1 da RTP. Dela farão parte, em cada programa, 14 pré-finalistas. Em cada uma das semi-finais serão apurados 7 finalistas, que marcarão presença na Gala Finalíssima, que se realizará a 5 de Setembro, e que será transmitida, em horário nobre, pela RTP.
 
Modificado em sexta, 10 julho 2020 19:29
Numa visita organizada pelo Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR Alentejo), Roberto Grilo, e pelo Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Francisco Ramos, a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e a Secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira, estiveram na manhã do dia de ontem, terça-feira, 7 de Julho, de visita ao concelho de Estremoz.
 
As duas governantes visitaram obras de regeneração urbana, de recuperação de antigos edifícios, que se estão a realizar no concelho estremocense e que são financiadas com fundos europeus regionais.
 
Ana Abrunhosa e Isabel Ferreira visitaram as obras da sede da Sociedade Filarmónica Veirense, no Palácio dos Coutinhos, em Veiros, requalificada no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano e com conclusão prevista para o mês de Setembro, e na cidade de Estremoz visitaram as obras da futura Biblioteca Municipal, localizada no antigo edifício Luís Campos, cujo término da obra está prevista para o mês de Maio, havendo a expectativa de que a mesma seja concluída antes dessa data.
 
Em declarações à comunicação social, a Ministra Abrunhosa disse que “a ideia destas visitas, para além de pressionar os Presidentes de Câmara a acabá-las rapidamente, é perceber outras necessidades que existem no território e as dificuldades que têm na execução dos fundos europeus”.
 
A governante salientou que o Governo está a dar “grande prioridade à execução dos fundos europeus, porque estimulam a economia e porque se estamos a financiar os projectos é porque eles são úteis para a qualidade de vida da população”, assegurando ainda que “aquilo que vimos deixou-nos muito satisfeitas”.
 
A Ministra da Coesão Territorial frisou que “os projectos de regeneração urbana são totalmente diferentes de uma construção nova e isso implica demoras que um projecto de construção nova não tem e da nossa parte é muito importante entender isso, as dificuldades que as autarquias têm, até porque quando fazemos legislação, nomeadamente em termos de contratação pública, é importante percebermos as diferenças entre uma obra de reabilitação e uma obra de construção nova”.
 
Ana Abrunhosa referiu ainda que “os fundos europeus neste momento privilegiam tudo o que é reabilitação, sobretudo nos centros históricos, onde privilegiamos o dar nova vida a esses centros históricos e para dar nova vida é com projectos culturais e na área económica e estes que vimos são excelentes exemplos”.
 
No final da conversa com os jornalistas, a Ministra socialista disse sair de Estremoz “satisfeita”, até porque teve conhecimento dos projectos que a autarquia estremocense tem já aprovados e da sua execução para breve, nomeadamente a obra de reabilitação do Largo Genereal Graça, “porque queremos que nem um cêntimo da solidariedade europeia fique por aproveitar e que esses recursos sejam utilizados para melhorar a qualidade de vida das populações”.
 
Modificado em quarta, 08 julho 2020 14:25
Instalado no Palácio dos Henriques, também conhecido como Palácio Tocha, o Museu Berardo Estremoz, espaço museológico ligado, através da Associação de Colecções, ao comendador e empresário madeirense Joe Berardo, será inaugurado no próximo dia 25 de Julho, pelas 10:30 horas.
 
A partir de dia 26 de Julho, domingo, as portas deste novo espaço cultural situado na cidade branca do Alentejo estarão abertas à população em geral, sendo a sua entrada gratuita até ao dia 30 de Agosto.
 
Este equipamento museológico apresenta aquela que é considerada a maior e mais importante colecção privada de azulejos de Portugal. Composta por conjuntos azulejares in situ, património integrado na Quinta e Palácio da Bacalhôa, localizados na pequena aldeia de Vila Fresca de Azeitão, e no estremocense  Palácio Tocha, e por mais de quatro mil e quinhentos exemplares móveis datados do século XIII ao século XXI, a Colecção Berardo permite percorrer a secular história do azulejo.
 
Segundo o Ardina do Alentejo conseguiu apurar junto de algumas entidades ligadas aos núcleos museológicos existentes no nosso país, as mesmas consideram já o Museu Berardo Estremoz como um dos mais importantes espaços do género existentes na Península Ibérica.
 
Os trabalhos de adaptação do edifício pré-pombalino implicaram um investimento superior a 2,6 milhões de euros, comparticipado em 85% por fundos comunitários. A obra de recuperação do edifício, de Interesse Público, foi acompanhada pela Direcção Regional de Cultura do Alentejo.
 
Modificado em sexta, 03 julho 2020 15:33
Desde as 07 horas da manhã desta quarta-feira, dia 1 de Julho, que decorre na Urbanização das Quintinhas, aglomerado habitacional constituído por elementos de etnia cigana localizado na entrada norte da cidade de Estremoz, uma mega operação policial.
 
São para já poucos os elementos que conseguimos apurar, mas podemos adiantar que no local encontram-se vários elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR), bem como diversos agentes à paisana.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, no local encontram-se igulamente vários elementos da Polícia Judiciária (PJ).
 
NOTÍCIA EM ACTUALIZAÇÃO
actualizada às 09:37 horas
Modificado em quarta, 01 julho 2020 09:38
No próximo dia 11 de Julho, pelas 22 horas, a centenária Praça de Touros de Estremoz irá receber a primeira corrida de toiros, realizada a nível mundial, nesta fase de pós-confinamento do surto pandémico da Covid-19.
 
Em declarações ao Ardina do Alentejo, Luís Miguel Pombeiro, empresário da praça estremocense, revelou que o cartel dessa noite será composto por “Rui Salvador, António Maria Brito Paes, João Moura Caetano e Manuel Ribeiro Telles Bastos. Acontecerá a apresentação do triunfador da temporada mexicana, o cavaleiro Emiliano Gamero, o chamado Revolucionário, e marcará também presença Parreirita Cigano, que foi o triunfador na praça de Estremoz no ano passado e porque é um miúdo que merece ser apoiado numa altura em que anda tudo a falar de racismo e de raças e há que apoiar os nossos”.
 
Em relação aos Grupos de Forcados, o homem forte da Ovação e Palmas referiu que a ideia inicial era que “a corrida tivesse três grupos de forcados” mas devido à obrigatoriedade de testes aos homens das jaquetas das ramagens, “a mesma terá apenas dois grupos de forcados, os Amadores de Arronches e os Académicos de Elvas”.
 
Os touros são da Ganadaria Vinhas, que cumpre este ano 70 anos de existência. Trata-se de uma ganadaria com tradição, com encaste de Santa Coloma, uns touros típicos e tradicionais que vão dar de certeza um ar de graça à festa” adiantou ainda Luís Miguel Pombeiro.
 
E com que expectativas está o organizador da corrida de reabertura da temporada sobre esta corrida histórica em Estremoz: “As pessoas sabem que nós vamos ter várias normas de segurança: vai ser obrigatório o uso de máscara, obrigatória a desinfecção da praça, quer antes, quer depois da corrida, vão haver vários pontos de desinfecção das mãos no interior da praça... As expectativas são boas, atendendo a que nós só podemos vender uma parte da lotação. Temos já algumas reservas e ainda não temos os bilhetes à venda, porque a decisão de avançar, de alguém ter que fazer alguma coisa e de alguém ter de enfrentar este anti-taurinismo foi decidida ontem (ndr: 22 de Junho). Há uma grande expectativa porque penso que as pessoas vão a esta corrida como forma de luta, como forma de apoio”.
 
Sobre as normas decretadas pela Direcção Geral da Saúde (DGS) para a tauromaquia, Luís Miguel Pombeiro acredita “que o Governo ainda irá mudar estas normas visto que a DGS hoje diz uma coisa e amanhã diz outra, o que revela que tem andado um pouco perdida… Felizmente temos uns profissionais de saúde bons, que têm aguentado isto, porque as asneiras da DGS têm sido mais que muitas. Ainda estou em crer que colmatem o erro e que deixem entrar pelo menos 50% de público”.
 
No final desta breve conversa, o empresário lançou o apelo na primeira pessoa: “Venham a Estremoz, venham em segurança, que nós cá estaremos para os receber, numa corrida que vai ser histórica. Contamos com todos”. 
Modificado em quarta, 24 junho 2020 03:30
Dois feridos, um deles em estado grave, foi o resultado de uma agressão ocorrida na noite de ontem, domingo, 21 de Junho, na Travessa de São Pedro, em Estremoz.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, a agressão aconteceu depois de uma acesa discussão que teve lugar na referida rua. O alerta para esta altercação da ordem pública foi dado às 23:35 horas.
 
Segundo informações recolhidas pela nossa redacção, junto de fonte dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, as duas vítimas foram transportadas para o Hospital do Espírito Santo de Évora.
 
Ao local deste incidente acorreram 11 operacionais, entre elementos dos Bombeiros Voluntários de Estremoz e da esquadra de Estremoz da Polícia de Segurança Pública, apoiados por cinco veículos, três dos quais ambulâncias.
Modificado em segunda, 22 junho 2020 10:22
O despiste de um motociclo, ocorrido na noite de ontem, segunda-feira, 15 de Junho, na cidade de Estremoz, provocou um ferido grave.
 
O acidente, cujo alerta foi dado pelas 22:19 horas, teve lugar junto ao quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz.
 
Segundo informações recolhidas pelo Ardina do Alentejo junto de fonte dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, a vítima deste aparatoso acidente é um homem, com idade na casa dos 30 anos.
 
Ainda de acordo com a mesma fonte, devido à gravidade do estado em que se encontra o acidentado, o mesmo irá ser transportado de helicóptero para uma unidade hospitalar da área de Lisboa.
 
De acordo com o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora, prestaram auxílio a esta ocorrência nove operacionais, apoiados por quatro veículos dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e Polícia de Segurança Pública (PSP).
Modificado em terça, 16 junho 2020 00:48
O vencedor do Got Talent Portugal 2020 é JOÃO PATACO E MIGUEL TIRA-PICOS!
 
Foram estas as palavras da apresentadora Sílvia Alberto que consagraram a dupla estremocense como os melhores entre os melhores da edição de 2020 do programa de caça talentos da RTP!
 
Na grande final, realizada no dia de ontem, domingo, 7 de Junho, a dupla Pataco e Tira-Picos apresentaram um espantoso número com rede aérea, ao som de “I won’t complain”, de Benjamin Clementine. E mais uma vez o júri ficou rendido aos jovens estremocenses. O júri mas também a apresentadora Sílvia Alberto, que logo após a actuação referiu “vocês são incríveis” e, dirigindo-se directamente a quem estava em casa a assistir, questionou se “viram todos omesmo que eu?”. Não escondendo a sua preferência pela dupla alentejana, e visivelmente surpreendida com o número exibido, a apresentadora afirmou ainda “vocês são fantásticos” e, falando mais uma vez com o telespectador, salientou “hoje é você que decide, é o seu voto, e se acha que o João Pataco e o Miguel Tira-Picos deveriam ser vencedores desta edição, então tem de votar 760102008, porque é justo que o faça”.
 
Pedro Tochas começou a sua intervenção dizendo que “antes de começar só quero dizer uma coisa que é, que eu tenho medo de me esquecer, votem… nestes”. O jurado ligado às artes circenses continuou afirmando que “poderia estar aqui a dizer que vocês eram grandes artistas de circo em Portugal, mas não era justo dizer isso porque vocês são grandes artistas de circo no Mundo inteiro. Desde a simplicidade da manipulação de uma folha de papel, a elegância... e é mais difícil do que parece e eu faço malabarismo. Vocês apenas tiveram uma semana. É a quarta vez que eu estou a ver uma actuação vossa e vocês não repetem nada, fazem sempre coisas diferentes e têm um repertório incrível. Eu não sei o que dizer, a não ser votem, votem, votem. Foi uma actuação incrível. Vocês têm um elemento de risco, um elemento técnico... Vocês nasceram para trabalhar os dois. Se o Got Talent vos uniu, foi a melhor coisa que o Got Talent fez nestas cinco edições, foi trazer esta dupla ao Mundo. E peço às pessoas, eu sei que é tarde e podem já não ter saldo ou não ter dinheiro, mas peçam o dinheiro emprestado a alguém e votem. Porque vocês são o exemplo de quem nunca desistiu. Vocês dão sempre tudo, tudo o que vocês têm fica em palco. Vocês estão exaustos porque deram tudo. E mais uma vez...", levantando-se em seguida para, mais uma vez, aplaudir de pé a dupla estremocense.
 
O sempre temido Manuel Moura dos Santos salientou que “o Tochas, uma vez sem exemplo, disse praticamente tudo. Isto tem sido uma noite absolutamente formidável, uma noite memorável e a vossa actuação foi absolutamente extraordinária. É a vossa quarta actuação no Got Talent e todas elas têm qualquer coisa de diferente e cada vez melhor. Hoje tiveram uma actuação notável. Pataco e Tira-Picos vieram para ficar. E eu espero que de facto as pessoas votem, votem muito, votem em vocês porque vocês merecem isso, e que a RTP também veja os talentos que têm passado por este palco hoje, que os aproveite no futuro porque vocês merecem ser vistos e revistos. A vossa actuação foi extraordinária. Muitos parabéns”.
 
A fadista Cuca Roseta, relembrou o facto desta dupla não ter sido apurada na semi-final, referindo que “nós poderíamos tê-los perdido, mas nós fomos buscá-los, eles ganharam e estão aqui. E mereciam. Eles merecem ganhar este programa. Foi admirável o que fizeram. Tal como diz o Tochas, como é que vocês nos conseguem surpreender mais e mais. Já foi incrível na semana passada, e apenas numa semana fazem um espectáculo destes. Eu fiquei arrepiada e emocionada. Trazem-nos agora algo mais dramático, contam-nos uma história mais profunda e para mim foi arrepiante e admirável. Vocês são incríveis”.
 
A cantora e actriz Sofia Escobar afirmou ter de ser “muito honesta, brutalmente honesta” para com João Pataco e Miguel Tira-Picos, “e não desfazendo de todos os outros candidatos que nós temos aqui na final, eu se eu só tivesse um voto, era em vocês que eu votava. São os meus preferidos e isto é absolutamente honesto”.
 
Depois de apresentadas as nove actuações da grande final do Got Talent Portugal 2020, e de fechadas as linhas telefónicas de votação, foram apresentados os três participantes mais votados pelo público na noite de ontem, domingo, 7 de Junho.
 
Após o anúncio, ficou a saber-se que a dupla João Pataco e Miguel Tira-Picos estava a lutar pelo troféu Got Talent Portugal e pelo prémio monetário de 30 mil euros, com dois músicos, o guitarrista João Dias e o violoncelista Gonçalo Reis.
 
Apenas com os três finalistas em palco, Sílvia Alberto desvendou o grande vencedor. E o final da história já se conhece… 

 

Modificado em segunda, 08 junho 2020 11:44
A busca pelo sonho, e pelo alcançar dos seus objectivos, fez com que estes dois jovens estremocenses deixassem Estremoz, o aconchego do seu lar e o seio das suas famílias, há alguns anos atrás.
 
A Escola Profissional de Artes e Ofícios do EspectáculoChapitô foi o destino de ambos. Miguel Tira-Picos ingressou na escola dirigida por Teresa Ricou em 2008, com apenas 15 anos. Em 2017, e pela mão do seu companheiro de palco no Got Talent Portugal, foi a vez do ingresso nesta instituição de ensino por parte de João Pataco.
 
Se em Estremoz, a dança marcou o percurso de ambos, quer na Ginarte, quer nos Traquinas & All Star, a vida em Lisboa juntou-os tanto no Chapitô, assim como no palco do Got Talent Portugal, o concurso de caça-talentos da RTP.
 
O esforço do treino, a dedicação à arte, a vontade de singrarem no mundo do espectáculo e a qualidade que possuem fê-los concorrerem ao programa apresentado na temporada de 2020 por Sílvia Alberto.
 
João Pataco e Miguel Tira-Picos, a dupla Pataco/Tira-Picos realizou um número de aéreos, ao som do tema “Adeus Tristeza”, na versão dos Amor Electro, e desde logo conquistou o júri composto por Pedro Tochas, Cuca RosetaSofia Escobar e Manuel Moura dos Santos. Para a cantora Sofia Escobar “foi um privilégio assistir à vossa estreia. Tenho a certeza que é o início de algo muito grande e muito bonito. Foi alucinante. Muito obrigado por terem trazido algo tão especial”. O comediante Pedro Tochas afirmou que foi um número “em crescendo com tensão. Circo é isto, é tensão constante, em crescendo. É arriscar e dar tudo e vocês deram tudo. Foi um prazer ver e quero ver mais. Isto começou agora”. A fadista Cuca Roseta salientou nunca ter assistido a “um número aéreo com tanto sentimento, porque há uma história, há uma expressão… Foi magnifico”. Para Manuel Moura dos Santos a actuação da dupla de estremocenses foi “fantástica. Vocês quiseram mostrar tudo. E fizeram bem, porque vieram aqui para isso, dar tudo. Fantástico. Pataco e Tira-Picos, categoria!
 
Mas não foram só os jurados que ficaram rendidos a este número da dupla alentejana. A apresentadora Sílvia Alberto fez questão de dizer aos próprios que este tinha sido um número “lindo, de uma virilidade incrível. Parabéns”.
 
Na segunda fase do concurso, a sorte não sorriu aos estremocenses. Apesar do arriscado número apresentado na 3ª semi-final da competição, com um aparelho idealizado pelos próprios e construído apenas para esta apresentação, o voto soberano do público português deixou de fora do lote de finalistas a dupla Pataco e Tira-Picos.
 
Mas havia uma derradeira oportunidade. Repescados pelo júri para a gala Wild Card, os “velhotes” João Pataco e Miguel Tira-Picos apresentaram um número de aéreos ao som dos Queen, e para além de garantirem o acesso à final do Got Talent Portugal, como o número mais votado da noite, granjearam palavras de incentivo por parte do júri, que considerou unanimemente que os jovens estremocenses já deviam ter marcado presença na final muito antes desta gala de repescagem.
 
A fadista Cuca Roseta disse “já não ter adjectivos” para os jovens estremocenses. “Este foi um momento extraordinário e vocês são incríveis. Por favor, em casa, votem”. A cantora e actriz Sofia Escobar referiu estar “sem palavras. Cada vez que vocês cá vêm fazem sempre melhor. São enormes tecnicamente e como actores. Adorava ver-vos na final”. O comediante e homem do mundo do circo Pedro Tochas disse “vocês podem estar em qualquer palco do mundo inteiro. Foi um momento único e do mais alto nível. É um prazer estar aqui a ver-vos actuar. Votem, votem que eu quero ver mais”. Já Manuel Moura dos Santos salientou “vocês já deviam ser finalistas do Got Talent. Tudo o que fizeram até agora justificava isso. Peço muito às pessoal lá em casa que votem em vocês e vos coloquem na final porque definitivamente merecem lá estar”.
 
E o público seguiu os conselhos do júri e colocou a dupla Pataco e Tira-Picos na final do Got Talent Portugal, que se realiza no próximo domingo, 7 de junho, no canal 1 da RTP.
 
Numa entrevista conjunta com o jornal Brados do Alentejo, Ardina do Alentejo esteve à conversa com os dois estremocenses e falou com eles sobre esta chegada à final, sobre o que esperar na derradeira actuação da dupla no programa e sobre a cidade branca do Alentejo. 
 
Ardina do Alentejo – A chegada à final do Got Talent Portugal é um sonho tornado realidade?
João Pataco (JP) – Chegar à final de um dos grandes programas televisivos de procura de talentos é, de certo modo, um sonho realizado. Estando eu a entrar no mundo profissional e ver que reconhecem o trabalho feito, nesta fase da minha vida, é muito importante. 
Miguel Tira-Picos (MTP) – É sem dúvida um momento importante, e tal como o João disse, faz parte do sonho ter reconhecimento no trabalho.
 
Ardina do Alentejo – As palavras do júri, unânime num apelo ao voto na dupla Pataco e Tira-Picos para a chegada à final, e o reconhecimento de todos que vocês deveriam ter chegado à final antes desta gala Wild Card, é um motivo de orgulho e um incentivo para o futuro? 
JP – Ver o reconhecimento por parte de toda a equipa sobre a nossa dupla é um orgulho enorme, pois ver que o nosso objectivo principal foi cumprido dá-nos uma sensação de realização difícil de explicar. Cria em nós uma energia de criar mais, mais e mais. Fazer aquilo que mais gostamos e receber um grande feedback só nos dá força para não querer parar. 
MTP – Definitivamente sim, ser finalistas para nós é um grande orgulho, é um grande privilégio chegarmos até aqui. O facto de poder mostrar o nosso trabalho, de conhecer outros artistas talentosos e passar por toda esta experiência é sem dúvida uma porta a abrir.
 
Ardina do Alentejo – As vossas actuações foram sempre em crescendo durante o Got Talent Portugal… O que podemos esperar para o próximo domingo?
JP / MTP – Sempre que podemos temos a necessidade de explicar que o nosso objectivo no Got Talent Portugal é principalmente mostrar que o circo tem maneiras infindáveis de ser passado para quem nos assiste. Temos várias maneiras de transmitir uma mensagem, e o circo é uma dessas imensas vertentes. Para a final do Got Talent Portugal queremos cumprir o nosso objectivo e, sem dúvida, impressionar todos. Estão preparados?
 
Ardina do Alentejo – Apesar de terem saído cedo de Estremoz, em busca do vosso sonho, a vossa terra nunca vos abandonou… Sentiram isso durante este percurso no Got Talent?
JP – Estremoz será sempre a minha cidade, foi onde eu cresci, tenho imenso orgulho de onde venho e não o escondo. Durante todo o nosso percurso senti que Estremoz fazia parte do programa tanto como nós. Sem a nossa terra nada disto era possível, e quero agradecer por isso mais uma vez. O apoio de todos foi incrível e sem os votos em peso não teríamos chegado onde chegámos. Contamos com a grande cidade de Estremoz para esta grande final.
MTP – O João já disse tudo. Somos nascidos e criados em Estremoz. Serei sempre um filho da terra e, a minha arte, fruto dela. Obrigado Estremoz, faremos sempre o nosso melhor.
 
Ardina do Alentejo – E o que podemos esperar da dupla Pataco e Tira-Picos, depois de domingo e do fim deste programa de caça-talentos?
JP – Sem dúvida que ainda vão ouvir falar muito desta dupla, que começou no Got Talent, e que vai percorrer Portugal e não só. Sem duvidar que queremos mostrar que a arte é necessária em Portugal e no mundo. 
MTP – Não iremos parar, a dupla só começou agora. O Got Talent Portugal está a ser a nossa prova de fogo, e os resultados têm sido muito positivos. Estamos muito orgulhosos do que criámos até agora e estamos prontos para seguir o nosso caminho.
 
Ardina do Alentejo – E a pergunta impõe-se: Para quando um espectáculo vosso e dos vossos companheiros de estrada e aventuras em Estremoz?
JP – O meu sonho começou no espectáculo “O Tempo perguntou ao Tempo”, ocorrido em Estremoz (ndr: setembro de 2018), e desde aí o meu sonho é poder um dia criar um novo espectáculo e, sem dúvida, integrar a população estremocense.
MTP – Não troco o "meu" Teatro Bernardim Ribeiro por nada, o teatro que me viu nascer, as minhas primeiras "tábuas"… Estaremos sempre disponíveis para colocar a mochila às costas e visitar a nossa casa.
Modificado em sábado, 06 junho 2020 12:30