sábado, 22 fevereiro 2020
segunda, 13 janeiro 2020 00:48

Piloto alentejano António Maio "em choque" com a morte de Paulo Gonçalves

Escrito por
No final da sétima etapa do Dakar 2020, António Maio disse ter vivido a pior etapa da sua carreira No final da sétima etapa do Dakar 2020, António Maio disse ter vivido a pior etapa da sua carreira DR
Na sétima etapa da prova, que se disputou no dia de ontem, que ligou Riade a Wadi Al Dawasir, e que contou com um sector selectivo de 546 km, o mais longo da edição de 2020 do Dakar, o piloto natural de Rio de Moinhos, no concelho de Borba, terminou na 34ª posição, cumprindo a tirada em 5h16’04’’, gastando mais quase 40 minutos do que o vencedor da etapa, o argentino Kevin Benavides. Com este resultado, o piloto da Yamaha #53 subiu mais uma posição, ascendendo ao 29º posto da geral, já a mais de quatro horas e 47 minutos do líder da competição, o norte-americano Ricky Brabec.
 
Na classificação G2, reservada aos pilotos que não fazem parte da elite da prova “rainha” do todo-o-terreno mundial, António Maio ascendeu igualmente uma posição, ocupando agora o 13º lugar, a mais de três horas e meia do 1º classificado, o norte-americano Skyler Howes.
 
Mas pouco importam os resultados, a luta pelas primeiras posições no retorno ao Rally Dakar 2020 após o dia de descanso. Uma queda, ao quilómetro 276, vitimou o piloto português Paulo Gonçalves, de 40 anos. O Speedy, como era carinhosamente tratado no mundo do todo o terreno, tinha pelo Dakar uma enorme paixão. Participava na competição pela 16ª vez, depois de se ter estreado em 2006, e integrava o restrito grupo de pilotos que correu nos três continentes: África, América do Sul e agora na Ásia, no Médio Oriente. No currículo do piloto de Esposende, fica o 2º lugar conquistado em 2015, as duas vitórias em etapas, uma em 2011 e outra em 2015, a conclusão da prova por quatro vezes no top 10 e as cinco desistências. Em 2013, Speedy Gonçalves sagrou-se Campeão do Mundo de Ralis Cross Country. Comunicativo, sorridente, bem-humorado, rápido e combativo, sempre pronto a dar uma ajuda, Paulo Gonçalves, um dos mais queridos e respeitados pilotos do todo o terreno internacional, era uma das lendas do Dakar.
 
No final da sétima etapa do Dakar 2020, e em declarações à página na rede social Facebook, Brasil no Dakar, o piloto António Maio disse ter vivido este domingo a pior etapa da sua carreira.
 
"Passei e estavam a fazer manobras de reanimação e percebi logo que era grave. Não é fácil... É a pior etapa da minha vida", disse o capitão da GNR.
 
Visivelmente emocionado, o piloto alentejano disse ainda estar "em choque" depois de ver "aquela imagem" de Paulo Gonçalves a receber assistência.
 
Horas mais tarde, António Maio escreveu na sua página na rede social Facebook, "vou tentar apagar da minha memória tudo o que vi e o que se passou depois, nesta que foi a etapa mais difícil da minha vida", acompanhando a publicação com uma fotografia com Paulo Gonçalves, entre outros pilotos, num dia de treinos.
 
"É com aquele piscar de olho e o desejo de "boa sorte" uns segundos antes de partires para a 7.ª etapa que te vou recordar para sempre! Um verdadeiro Homem, um ser humano fantástico e um piloto único! Obrigado Paulo por seres uma das minhas referências", escreveu o antigo campeão nacional de todo-o-terreno, que participa no Dakar pela segunda vez.
 
Após uma reunião entre a organização do Dakar 2020 e as equipas participantes, foi deliberado que a oitava etapa, agendada para hoje, 13 de Janeiro, seria cancelada para motos e moto4. "Após uma reunião com os pilotos e toda a família de motociclistas, os organizadores decidiram cancelar a oitava etapa para a categoria de motociclismo e moto4, de modo a dar tempo para que os atletas façam o luto do seu amigo", lê-se em comunicado divulgado pela organização da competição.
 
c/ CM e Brasil no Dakar
Modificado em segunda, 13 janeiro 2020 01:43

Deixe um comentário