quarta, 16 outubro 2019
domingo, 22 setembro 2019 20:09

Calipolense vence CF Estremoz e segue em frente na Taça Distrital de Évora Dinis Vital

Escrito por
Ardina do Alentejo marcou presença no municipal estremocense e falou no final do encontro com os dois técnicos Ardina do Alentejo marcou presença no municipal estremocense e falou no final do encontro com os dois técnicos DR
O Estádio Municipal José Gomes Palmeiro da Costa, em Estremoz, recebeu na tarde deste domingo, 22 de Setembro, a partida entre o CF Estremoz e o Calipolense, jogo a contar para a 1ª eliminatória da Taça Distrito de Évora Dinis Vital.
 
Os forasteiros de Vila Viçosa, comandados pelo estremocense Nuno Frade, foram melhores ao longo de grande parte do encontro, e venceram a equipa da casa, em jogo de estreia para o novo técnico encarnado e negro, Fernando Madeira, por 2-0, com os golos a serem apontados por Flecha e Kalita.
 
Ardina do Alentejo marcou presença no municipal estremocense e falou no final do encontro com os dois técnicos.
 
Fernando Madeira, técnico do CF Estremoz
Tentámos aguentar o Calipolense até onde conseguíssemos. Montámos a estratégia de jogo para tentar trocar a bola e fazê-los correr atrás da bola, mas o Calipolense é uma equipa muito experiente e soube aproveitar os nossos pontos fracos. E quando não marcamos acabamos por sofrer.
Estou perfeitamente satisfeito com a prestação dos meus jogadores, eles são uns verdeiros heróis e têm ajudado a dignificar a camisola. Vamos agora para o nosso campeonato, receber o Perolivas, e ganhar os três pontos que isso é que interessa.
No campeonato não nos queremos meter em grandes batalhas. O CF Estremoz é um outsider. Esta equipa é praticamente nova, com uma média de idades de 22 anos. Vamos aproveitar a irreverência deles, tentar fazer ponto a ponto, jogo a jogo, e depois logo se vê onde ficamos”.
 
Nuno Frade, técnico do Calipolense
Em inícios de campeonatos e em inícios de época, são sempre jogos complicados de analisar, porque há a vontade de querer mostrar tudo e a vontade de querer fazer tudo, numa altura em que ainda estamos a tentar ganhar a nossa forma, porque foi uma pré-época complicada, curta e ainda fomos bafejados com algumas lesões, que também não vieram ajudar. Esta malta que jogou hoje demonstrou que a qualidade está lá e não se pode olhar para o bilhete de identidade. São miúdos de formação, novos… A diferença de idades entre o mais velho e o mais novo são 10 anos. No 11 titular, dois têm 30 anos, e o resto fala por si. Bateram-se bem, perante um Estremoz que é uma equipa com mais maturidade, mas os meus jogadores desempenharam as missões que tinham preparadas muito bem mesmo.

Estou satisfeito com o desempenho dos meus jogadores, mas quero mais, porque eu sei que eles conseguem mais. Tentar controlar o ímpeto que eles têm, porque por vontade deles o jogo só tinha um sentido, que era atacar, mas esquecem-se que também temos de trabalhar o outro lado. Bateram-se bem e para primeiro desafio oficial estão de parabéns, todos, tanto os que estão aqui convocados como os que passaram a semana no treino. De realçar, que a equipa não são só 11, a equipa são os 25 ou 26 que estão no plantel, e esses é que têm de trabalhar, semana a semana, para agora irmos para essa difícil competição que é a Divisão de Elite, que não vai ser nada fácil, mas é um desafio bom para eles.
As aspirações são as de garantir a tranquilidade o mais rapidamente possível. Tendo a imagem do ano passado, já conhecemos um pouco o que é a Divisão de Elite, um campeonato extremamente competitivo, onde não há lugar para ninguém vacilar, porque se vacila é a morte do artista, porque não dá hipótese, é uma competição com uma intensidade muito grande. Com a irreverência desta juventude que tenho na equipa, e a 
aposta nestes jovens, visto que não olho para os cartões de cidadão, com a qualidade que têm, que essa é que têm de mostrar lá dentro, acredito que se continuarem com o foco, com a ambição, com a vontade de querer trabalhar semana após semana, com o objectivo de chegar ao fim de semana e entrar sempre para pontuar e para conquistar, porque há jogos que é para ganhar e há jogos que é para tentar ganhar, vamos tentar chegar o mais rapidamente possível à manutenção porque eles merecem”.         
 
 
Principais incidências da partida
14 minutos – Gonçalo Araújo desperdiça uma grande penalidade rematando por cima da baliza
40 minutos – Luís Moura falha um penalty, permitindo a defesa de Nuno Prates
43 minutos – Grande defesa de Nuno Prates, a defender um remate à entrada da área de Luís Rosado
58 minutos – Substituição no Calipolense – Saiu o camisola 23 – Luís Rosado e entrou o número 15 – Kalita
59 minutos – GOLO DO CALIPOLENSE, apontado pelo camisola 7, Flecha, num bom remate cruzado, descaído para o lado direito da forma como atacava a equipa de Vila Viçosa
62 minutos – Cartão amarelo para Gonçalo Gonçalves por protestos
63 minutos – Substituição no CF Estremoz – Saiu o camisola 8 – Batista e entrou para o seu lugar o número 16 – Marianito
69 minutos – GOLO DO CALIPOLENSE, apontado por Kalita, camisola 15 da formação de Vila Viçosa, rematando praticamente da marca de penalty, após um cruzamento vindo da direita.
73 minutos – Substituição no Calipolense – O camisola 16, Manuel Aurélio entrou pra o lugar do número 17, Deo
73 minutos – Substituição no CF Estremoz – Gonçalo Araújo, camisola 9, saiu para dar o seu lugar ao camisola 17, Cabaço
73 minutos – Substituição no CF Estremoz – José Coelho, número 15 da equipa encarnada e negra entrou para o lugar do camisola 10, Tiago Mourão
78 minutos – Substituição no Calipolense – O camisola 14, Lourenço Marques saiu para a entrada do número 8, Pedro Largueiras
 
 
 
Modificado em domingo, 22 setembro 2019 20:53

Deixe um comentário