segunda, 21 maio 2018
Mais de trezentos desportistas do Alentejo Central, de vinte e duas modalidades, foram este ano distinguidos na 12ª Gala do Desporto do Alentejo Central, que decorreu no passado sábado, dia 12 de Maio, em Estremoz, no Parque de Feiras e Exposições da cidade.
 
Para a sessão de abertura desta 12ª Gala contámos com a presença de Francisco Ramos, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, José Calixto, Presidente do Conselho Intermunicipal da CIMAC e Miguel Rasquinho, Director Regional do IPDJ – Instituto Português do Desporto e Juventude.
 
Desportistas entre os 8 e os 65 anos, residentes nos concelhos de Arraiolos, Borba, Évora, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Viana do Alentejo, que se distinguiram no desporto nacional, viram mais uma vez reconhecido o seu mérito pelos resultados obtidos na época desportiva 2016/2017.
 
Este ano, pela primeira vez, as homenagens dividiram-se em Prémios Individuais e Prémios Colectivos, atribuídos a desportistas/equipas das seguintes modalidades: Andebol, Andebol de Praia, Atletismo, Atletismo Adaptado, Automobilismo, Boccia, Columbofilia, Culturismo, Desportos de Combate, Futebol, Ginástica Artística, Ginástica de Trampolins Mini Hóquei, Natação Artística, Orientação, Padel, Pentatlo Moderno, Pesca Desportiva, Rugby, Setas, Tiro, e Triatlo.
 
A CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central, em conjunto com os seus municípios associados, organiza anualmente a Gala do Desporto do Alentejo Central, que visa a valorização da prestação desportiva dos desportistas da região, que alcançaram posições cimeiras no panorama nacional, nas mais diversas modalidades.
Contando com a participação de cerca de 500 betetistas, realizou-se no passado Domingo, dia 13 de Maio, a oitava edição do Estremoz Bike, considerada por muitos como a melhor prova de BTT realizada no Alentejo, e uma das mais importantes provas de BTT que acontece a Sul do Tejo.
 
Por terras estremocenses foram criados desafios para todos os gostos, com percursos de 100 quilómetros - Maratona, 50 quilómetros - Meia-Maratona e 30 quilómetros - Mini-Maratona. Com estas distâncias foi assim possível desbravar os trilhos da Serra D'Ossa e ligar os castelos de Estremoz e Évora Monte numa aventura épica de BTT.
 

Estremoz Bike é uma organização da Câmara Municipal de Estremoz, das associações Rota d'Ossa e BTTMOZ - Sobe e Desce Team, e de várias entidades locais.
 
No final de uma prova que se realiza desde o ano de 2010, Ardina do Alentejo esteve à conversa com Luís Bailão, Presidente da Direcção da Rota d'Ossa, que nos fez o balanço de mais um Estremoz Bike.
 
Ardina do Alentejo - Que balanço faz a organização da edição de 2018 do Estremoz Bike?
Luís Bailão (LB) - A organização faz um balanço positivo do evento. Os objectivos foram plenamente atingidos, segundo o feedback dos participantes este foi mais um evento de excelência, com um grau de exigência elevado, que se traduz numa organização cinco estrelas.
Ardina do Alentejo - É o Estremoz Bike a melhor prova de BTT realizada no Alentejo, e uma das melhores a Sul do Tejo?
LB - Não diria que somos a melhor prova pois seria demasiada vaidade da minha parte, mas não será fácil encontrar uma organização como a do Estremoz Bike. Tendo em conta a localização da cidade de Estremoz e a proximidade da Serra d'Ossa e a sua excelência para este tipo de eventos, estamos no top com certeza. Tudo isto é fruto de muita dedicação e da colaboração de muitos colaboradores das associações envolvidas no projecto Estremoz Bike.
 
A passagem por Évora Monte e a difícil subida até ao imponente Castelo da freguesia estremocense é, ano após ano, um dos momentos chave do Estremoz Bike. E este ano com uma zona de abastecimento reforçada, onde não faltou a música e a dança do Grupo Folclórico “A Convenção” de Évora Monte.
 
O repórter do Ardina do Alentejo, Ivo Moreira falou com António Serrano, Presidente da Junta de Freguesia de Évora Monte, que nos fez o balanço da passagem da edição de 2018 do Estremoz Bike pela sua freguesia, e que nos falou das iniciativas já programadas para levar pessoas até à “Montanha de Emoções”. 
 
Ardina do Alentejo – Que balanço faz da passagem do EstremozBike pela freguesia de Évora Monte?
António Serrano (AS) – Faço um balanço muito positivo. Era exactamente isto que estávamos à espera que acontecesse nesta zona de abastecimento para participantes. Está a ser muito positivo na medida em que estas iniciativas acabam por contribuir para o desenvolvimento social, cultural, desportivo da nossa freguesia e por envolver toda a comunidade no apoio aos participantes.
Ardina do Alentejo – São este tipo de actividades que dão uma dinâmica diferente à freguesia?
AS – Sim, exactamente. É necessário trazer as pessoas a Évora Monte e estas pessoas que participam, se forem bem acolhidos, como eu espero que estejam a ser, acabam por ter uma experiência positiva em Èvora Monte e poderão regressar. E é isso que nos interessa. Os 500 participantes que vão passar aqui por Évora Monte, que venham novamente, que tragam os seus familiares e amigos, e é isso que pretendemos.
Évora Monte tem condições únicas para este tipo de actividades, para o BTT, para o Trail Running, para todo o tipo de actividades de natureza. E é isso que pretendemos também, afirmar Évora Monte como uma freguesia com estas potencialidades, aquilo a que já nos estamos a começar a habituar a chamar “Évora Monte, uma montanha de emoções”.
Ardina do Alentejo – E para o futuro? Há projectos, mais eventos em parceria?
AS – Temos vários eventos em parceria. O primeiro será já no próximo dia 27 de Maio, em que vamos ter a Caminhada por Terras da Convenção, numa organização conjunta com o Município de Estremoz. Trata-se de uma caminhada no âmbito do programa Estremoz em Movimento e que contará com muitas surpresas ao longo do percurso e que culminará com um almoço convívio entre organização e participantes. As inscrições já estão a decorrer e são gratuitas. O segundo será em Setembro, numa organização da BTTMOZ - Sobe e Desce Team, e que é o Troféu Zona dos Mármores, uma prova de BTT que vai acontecer em exclusivo em Évora Monte, com início e término na freguesia. No mês de Outubro, mais concretamente a 21 de Outubro, teremos o Trail Running Cidade de Estremoz, que este ano terá inicio e fim em Évora Monte, decorrendo toda a prova na área da freguesia.
Estas são três iniciativas agendadas dentro das iniciativas de desportos de aventura e de desportos na natureza que acabam por ir ao encontro daquele que é o nosso objectivo, afirmar Évora Monte como uma freguesia com potencialidades para este tipo de actividades, afirmar “Évora Monte, uma montanha de emoções”.
 
Também Sílvia Dias, Vereadora com o Pelouro do Desenvolvimento Desportivo da Câmara Municipal de Estremoz, falou aos jornalistas. Para a autarca, “o Estremoz Bike é um evento marcante, um dos melhores eventos a nível do BTT, que se realiza no Alentejo  e a Sul do país, onde cerca de 500 betetistas percorreram os trilhos da Serra d'Ossa, na natureza, e depois no meio urbano, com grandes pontos de interesse nos centros históricos de Estremoz e de Évora Monte”.
Jorge Gancho, atirador do Clube de Caçadores de Estremoz, conquistou no dia de ontem, 22 de Abril, mais uma vez para o clube estremocense, a Taça de Portugal de Tiro ao Vôo.
 
Com esta vitória, obtida na competição que decorreu no Porto, e tal como já aconteceu noutras ocasiões, Estremoz irá ser palco desta prova no ano de 2019.
 
A Taça de Portugal de Tiro ao Vôo 2018 ficará na posse do clube estremocense até que se realize a próxima edição.
 
c/ José Lameiras - Rádio Despertar
A classe “All Star” da Secção de Ginástica e Dança do Clube de Futebol de Estremoz voltou a brilhar em mais um Gym for Life nacional, que em 2018 se realizou no Pavilhão Multiusos de Odivelas, entre os dias 20 e 22 de Abril.
 
Classificado como um dos maiores eventos da ginástica nacional, o Gym For Life juntou cerca de 4100 participantes. 
 
Este grande espectáculo de ginástica, que encheu as bancadas do pavilhão durante os três dias, foi proporcionado pelas brilhantes exibições das 166 classes participantes em representação de 76 clubes, naquela que é a maior edição de sempre de um Gym for Life.
 
A classe “All Star” da Secção de Ginástica e Dança do Clube de Futebol de Estremoz, liderada por Andreia Galapito, à semelhança do que aconteceu em 2017, recebeu a Menção de Prata.
 
Organizado pela Federação de Ginástica de Portugal, em parceria com o Ginásio Clube de Odivelas e com o apoio da Câmara Municipal de Odivelas, o evento contou com a presença de algumas das melhores classes nacionais da disciplina. 
 
Segundo a Federação de Ginástica de Portugal, o Gym for Life “mais do que uma competição é um evento de promoção da ginástica, para todas as idades, com carácter formativo e educativo”.
 
Passavam poucos minutos das 09 horas da manhã desta sexta-feira, dia 30 de Março, quando foi dado por Carolina Mendes, o pontapé de saída para a primeira edição do torneio com o seu nome.
 
Numa iniciativa organizada pelo Clube de Futebol de Estremoz, a 1ª Copa Carolina Mendes envolve a participação de mais de 350 atletas, em representação de 28 clubes, distribuídos pelos escalões de Benjamins, Traquinas, Petizes e Infantis.
 
Durante dois dias, sexta-feira e sábado, o Estádio José Gomes Palmeiro da Costa recebe uma competição que para além de homenagear a internacional lusa Carolina Mendes, a primeira jogadora nacional a marcar um golo numa fase final de um Campeonato da Europa, permite também que os jovens jogadores e jogadoras possam ver ao vivo um dos seus ídolos, e fazerem aquilo que mais gostam: jogar futebol!
 
Carolina Mendes, que devido ao facto de ter entrado em estágio com a Selecção Nacional de Futebol Feminino tendo em vista a partida de qualificação para o Mundial França-2019 diante da Bélgica (6 de Abril – 18,30 Horas - Lovaina), apenas marcou presença na manhã do primeiro dia da sua copa.
 
Antes da partida para Lisboa, a futebolista estremocense esteve à conversa com o Ardina do Alentejo.
 
Ardina do Alentejo (AA) – Vamos recuar uns anos, mais concretamente ao inicio da tua carreira. Alguma vez pensaste que uns anos mais tarde irias ter um torneio com o teu nome? 
Carolina Mendes (CM) – Não, nunca me passou pela cabeça. Há muitos anos atrás, até comecei no futebol por brincadeira, como um hobbie, que se tornou mais sério e que agora é a minha profissão, mas quando comecei nada disto me passava pela cabeça.
 
AA – Como é que é sentir o carinho de todas estas crianças? Os autógrafos, as fotografias…
CM – É muito bom, é mesmo muito bom. Para mim, enquanto atleta, que me revejo na posição deles, em que quando era mais nova também tinha os meus ídolos e os meus jogadores preferidos, e agora sentir que estou na minha cidade, com todas estas pessoas da minha cidade, e todas estas crianças a praticarem futebol, e a admirarem-me, a gostarem de mim e a seguirem o meu trabalho, é muito gratificante. Sentir este carinho todo é extraordinário.
 
AA – Daquilo que já pudeste ver, achas que há em campo futuros craques?
CM – Sim, eu vejo muita qualidade, mas só depende deles, e espero que consigam, tal como eu, atingirem o sonho de serem jogadores profissionais.
 
AA – A qualidade técnica pode lá estar, mas a cabeça ajuda muito…
CM – Sim, nem é só a qualidade que faz a diferença, porque senão houver cabeça a qualidade acaba por se perder. É preciso aliar as duas coisas, e ter uma força de vontade muito grande porque é um mundo bastante complicado, o do futebol profissional. Mas só depende deles, trabalharem muito e acreditarem sempre neles e seguirem o seu sonho.
 
AA – Faz falta uma competição feminina no distrito de Évora?
CM – Sim, claro, e faz falta também incentivar mais as meninas a virem praticar futebol, que está ainda muito ligado como sendo um desporto de rapazes e isso acaba por não ser verdade. Temos o meu caso e o de muitas outras jogadoras que chegaram à selecção nacional e que são profissionais de futebol.
Basicamente precisamos de mais meninas, que os pais também lhes deem liberdade para elas virem jogar com os rapazes, para se aumentar o número de praticantes para depois no futuro podermos melhorar enquanto selecção e  enquanto futebol feminino, e só assim é que conseguimos atingir objectivos e resultados.      
Numa organização conjunta da Federação Portuguesa de Atletismo, da Câmara Municipal de Monforte e da Associação de Atletismo do Distrito de Portalegre, realizou-se hoje, Domingo, dia 18 de Março, na vila de Monforte, mais uma edição do Campeonato de Portugal de Corta-Mato Longo.
 
A prova, que já vai na 95ª edição em masculinos e na 52ª edição em femininos, contou com a participação de 838 atletas, em representação de 107 clubes.
 
O Campeonato de Portugal de Corta-Mato Longo teve início com a prova de juvenis, contando a competição de femininos com um percurso de quatro quilómetros e a de masculinos, com um traçado de cinco quilómetros. A vitória feminina sorriu a Bárbara Neiva, do Almada e Figuerinhas, enquanto que nos masculinos, o atleta Etson Barros, do Clube Oriental do Pechão, foi o vencedor.
 
Logo de seguida foi a vez de se disputar o campeonato de juniores, tendo o traçado para o sector feminino uma distância de seis quilómetros e o de masculinos, de oito quilómetros. Mariana Machado, do SC Braga, foi a mais rápida em femininos, enquanto que em masculinos, Ruben Sousa, do Sporting, foi o primeiro a cortar a meta.
 
O campeonato de absolutos arrancou depois dos mais jovens, tendo o traçado para o sector feminino oito quilómetros e o destinado ao sector masculino, dez quilómetros. A surpreendente Catarina Ribeiro, do Sporting CP, contra todas as previsões sagrou-se campeã nacional, enquanto que Rui Teixeira, também do Sporting CP, sagrou-se aos 37 anos, campeão nacional.
 
"Ser campeão nacional é o sonho de todos. Desde que comecei a correr, apaixonei-me pelo corta-mato. Sempre gostei, treinei a época toda em percurso de corta-mato e hoje consegui realizar o meu sonho", disse Rui Teixeira, em declarações à agência Lusa.
 
O atleta do Sporting sublinhou ainda o "despique" que manteve ao longo da prova com o rival Rui Pinto.
 
Também à Lusa, Catarina Ribeiro mostrou-se "satisfeita" e "muito feliz" com a conquista do título, sublinhando que alcançou um resultado ao nível do que tem "trabalhado" nos últimos tempos.
 
A atleta acrescentou ainda que a prova de Monforte foi "dura", com um percurso "muito técnico" e com "muita lama".
 
A prova referente aos veteranos 50+, com um percurso de cinco quilómetros, foi a penúltima a iniciar-se, enquanto que o nacional de veteranos 35, 40, 45 foi o último a ser disputado, contando com um percurso de oito quilómetros. António Fernandes, do GDC Guilhovai, na vertente masculina, e Adélia Tavares, da ADC CJ Clark, no sector feminino, venceram o nacional para atletas com mais de 50 anos de idade. No nacional de veteranos 35, 40, 45, a vitória masculina foi para Paulo Gomes, do GDC Guilhovai, enquanto que Carla Machado, da UD da Várzea, foi a veterana mais rápida no percurso de Monforte.
 
Colectivamente, o SL Benfica venceu em Juvenis masculinos e femininos, e em Juniores masculinos. O Sporting CP venceu em Juniores femininos, e nas categorias rainhas, Seniores masculinos e femininos. Nos veteranos, a vitória colectiva foi para o ACP – Atletismo Clube de Portalegre, em femininos, e para a Casa do Ebnfica de Algueirão, na vertente masculina da competição.
 
Todas as classifcações do Campeonato de Portugal de Corta-Mato Longo podem ser consultadas aqui.
 
c/ LUSA
 
Oriundos de cerca de 100 equipas, serão mais de 1500 os atletas que vão participar na edição de 2018 do Campeonato de Portugal de Corta-Mato Longo, que vai decorrer amanhã, Domingo, dia de 18 de Março, em Monforte, anunciou a Federação Portuguesa de Atletismo.
 
A prova, que já vai na 95ª edição em masculinos e na 52ª edição em femininos, vai contar com a presença das “maiores equipas nacionais”, destacando-se também a presença dos campeões nacionais de seniores em 2017, Rui Pinto (Benfica) e Jéssica Augusto (Sporting).
 
Nós temos no atletismo português 510 clubes filiados, e teremos em Monforte mais de 100 equipas a participar, o que é um número bastante significativo de equipas de várias regiões do país”, sublinhou o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira.
 
O responsável explicou que o percurso traçado para o campeonato apresenta-se “duro”, acrescentando ainda tratar-se de um traçado que serve para “preparar” os atletas para o Campeonato da Europa de Corta-Mato, que vai decorrer em 2019, no Parque da Bela Vista, em Lisboa.
 
O Campeonato de Portugal de Corta-Mato longo tem início pelas 09:30 horas, com a prova de juvenis, contando a prova de femininos com um percurso de quatro quilómetros e a de masculinos, pelas 10 horas, com um traçado de cinco quilómetros.
 
Pelas 10:30 horas, é a vez de disputar-se o campeonato de juniores, tendo o traçado para o sector feminino uma distância de seis quilómetros e o de masculinos, pelas 11:05 horas, de oito quilómetros.
 
O campeonato de absolutos arranca por sua vez pelas 11:50 horas, sendo o traçado para o sector feminino de oito quilómetros e o destinado ao sector masculino, pelas 12:30 horas, de dez quilómetros.
 
A partir das 13:25 horas está anunciado o inicio da prova referente aos veteranos 50+, com um percurso de cinco quilómetros.
 
O nacional de veteranos 35, 40, 45 é o último a ser disputado, pelas 14:05 horas, contando com um percurso de oito quilómetros.
 
O presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, congratulou-se por acolher no seu concelho uma prova desportiva de âmbito nacional.
 
Acolher esta prova assenta num dos três eixos que implementamos para desenvolver o concelho. O primeiro eixo passa por dar qualidade de vida às pessoas, resolver os seus problemas e o segundo eixo é onde se insere esta estratégia de receber este Campeonato Nacional de Corta-Mato. Já o terceiro eixo passa por fixar pessoas e captar investimento”, disse.
 
c/ LUSA

Não é novidade para ninguém que Estremoz é uma terra apaixonada por hóquei em patins, e que foi através dessa modalidade que algumas das páginas mais bonitas do desporto desta cidade foram escritas a letras de ouro.
 
O CF Estremoz marcou presença na 1ª Divisão Nacional da modalidade, e um jogador saído da sua cantera, José António, sagrou-se Campeão do Mundo, no Chile, em 1962. Vários têm sido também aqueles que deixam o hóquei patinado estremocense para os melhores clubes nacionais. João Sardo, para o SL Benfica, e Luís Cebola, para o Sporting CP, são os mais recentes exemplos.
 
Mas também no hóquei feminino, através do já extinto CDA Externato São Filipe, a cidade de Estremoz fez história. O clube azul e branco marcou presença, várias épocas, na 1ª Divisão Nacional, tendo mesmo a equipa liderada por João Coruche Mendes disputado a Fase Final de Apuramento de Campeão Nacional. Disputou, no ano de 2007, a Final da Taça de Portugal, sendo a primeira vez que uma equipa de Estremoz chegou à final de uma Taça de Portugal num desporto colectivo. E a agora ídolo do futebol feminino nacional, Carolina Mendes, vestiu por diversas vezes, a camisola das quinas da selecção nacional de hóquei em patins, enquanto atleta do clube estremocense.
 
De forma a honrar a brilhante história do hóquei em patins em Estremoz, e também para que o hóquei feminino não acabasse na cidade branca do Alentejo, as jogadoras e o treinador do CDA Externato São Filipe, na impossibilidade de representarem o clube azul e branco, decidiram transferir-se para o CF Estremoz.
 
Através da página “Hóquei Feminino CFEstremoz” na rede social Facebook, as agora atletas encarnadas informam que a equipa irá começar a sua participação na Taça da Associação de Patinagem de Lisboa, já no próximo Domingo, fora de portas, diante da formação da APAC Tojal. O primeiro jogo das “encarnadas” em casa, no Pavilhão Municipal de Estremoz, acontecerá no dia 24 de Fevereiro, Sábado, pelas 15 horas, diante da UDC Nafarros.
 
O plantel feminino do CF Estremoz, que começou a treinar às ordens do Professor João Coruche Mendes, no passado mês de Setembro, quer com os escalões de formação do clube, quer com os seniores encarnados, é composto pelas seguintes atletas: Seniores – Ana Catela (GR), Inês Mendes, Inês Santos, Patrícia Lopes, Dina Letras e Margarida Caldeirinha; Sub -17 e Sub -15 – Carlota Russo, Carmo Potier Teixeira, Teresa Rezende, Maria Inês Gouveia, Inês Graça e Rita Verdugo.
 
Para além de quererem dar continuidade ao hóquei em patins no feminino na cidade de Estremoz, e tal como foi confidenciado ao Ardina do Alentejo por uma jogadora do plantel encarnado, “a ideia passa muito por integrar as mais novas nas seniores e fazer uma "renovação"”.
 
Com a vitória obtida ontem, Domingo, 28 de Janeiro, em Portimão, diante do Hóquei Clube de Portimão, por esclarecedores 8-0, a equipa de sub-17 do Clube de Futebol de Estremoz, sagrou-se Campeã Regional de hóquei em patins.
 
 
Com o primeiro lugar alcançado na tabela classificativa, à frente de equipas como o CD Boliqueime, o HC Portimão e o CP Beja, a formação liderada por Luis Sádio vai agora disputar o Campeonato Nacional da categoria.
 
São campeões regionais os jogadores Tomás Costa e Luís Vieira (guarda-redes), Miguel Verdugo, Bernardo Magalhães, Luís Pestana, Miguel Sádio, Luís Rezende, Miguel Lopes e Carlota Russo, os seccionistas Rui Pestana, João Vieira, João Costa e José Lopes, e o treinador Luís Sádio.
 
Pelo terceiro ano consecutivo, uma equipa da formação do hóquei em patins do Clube de Futebol de Estremoz, sagrou-se Campeã Regional.
 

Mais Populares